quarta-feira, março 03, 2010

A IMPORTÂNCIA DO AMOR: O AMOR É NADA, O AMOR É TUDO

«A vida é bytes, bytes, e mais bytes de informação digital», escreveu Richard Dawkins, um destacado biólogo contemporâneo. Na mesma linha, não será que também é possível reduzir o amor a bytes, bytes, e mais bytes?
 
Pense-se no amor romântico, por exemplo. Não pode ele ser visto como ilusões da nossa mente, como resultado de instintos que levam os apaixonados a transformar seres banais em princesas e príncipes encantados, antes de voltarem a cair na realidade?
 
Do mesmo modo, e quanto aos outros nossos amores, não serão eles basicamente ilhas privadas, coisas que a morte apaga e leva consigo. E quanto à nossa vida colectiva, não é verdade que nela manda sobretudo a competição e os egoísmos, ou a lei do lucro, e não propriamente o amor?
 
É. Em certa perspectiva é possível reduzir o amor a unidades insignificantes. Ou, se quisermos, a bytes, bytes, e mais bytes.
 
Mas há outro ângulo: sem amor, o que seriam as nossas vidas? Qual o seu sentido? Sem os espaços de amizade, sem vivências de amor, valeria a pena estar vivo?
 
E a conclusão é unânime: as nossas vidas são indissociáveis dos nossos amores. Sem o amor não seríamos humanos e a sociedade ruiria. Sem os sentimentos ligados ao amor - actos de bondade, generosidade, simpatia - a sociedade seria uma selva inabitada, e nós simples máquinas.
 
Do mesmo modo, se tudo fosse regulado pelo lucro e pelos nossos interesses, o que seria das nossas sociedades, elas que já têm tanta miséria e tanto conflito?

Afinal, o amor é muito. Não é tudo na vida, mas está longe de ser apenas bytes, bytes e mais bytes.



Desconheço a autoria do texto

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...