quarta-feira, maio 17, 2006

INSÔNIA DE AMOR

















É madrugada,
O frio parece apossar-se de mim.
Repuxo o cobertor sobre meu corpo
Mas a intensidade do frio
É bem maior que o aconchego do lençol.
O sono se vai,
Os pensamentos se manifestam...


Você vem como miragem
E fica tatuado em minha mente.
Rolando na cama,
De um lado para o outro,
Sem conseguir dormir.
Meus olhos bem abertos
Só conseguem ver teu rosto.
Estou só! Tão só!
Parece até que o mundo desabou
Sobre mim.


Quero dormir! Não consigo!
Entre devaneios perdidos
O tempo parece assinar
A minha sentença!
A solidão.
_Que droga !


Grito como louca...
Estou condenada por amor
E no cárcere da saudade
O tempo cruel me mostra,
Que eu sou a única culpada,
Então...
Devo morrer de amor.


Socorro Carvalho

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...