sábado, março 18, 2017

A CARNE É FRACA...

Hoje, ouvindo um colega em uma determinada emissora me veio essa vontade de escrever sobre esse tema, que se tornou alvo de piada, em todo o Brasil e quiçá até lá pelo exterior, não sei, mas imagino. Considerando a reflexão do colega realmente, a carne é fraca.

Eu explico. O que está ocorrendo com essas grandes empresas sobre à venda de carnes estragadas, adulteradas, inclusive com compostos altamente cancerígenos e até papelão. No caso do papelão, sabe Deus de onde foi tirado. Pela dimensão da     “sacanagem”, quem sabe até do lixo reciclado. Eca!! Prefiro não aprofundar o pensamento. Afinal, já comi em muitos domingos o bom churrasco de carne, comprada aqui nos açougues de Santarém, talvez com menos poluição. Porém, sempre me deliciava com as linguiças, calabresas compradas em supermercados para completar a carne, sempre da Sadia, da Seara... credo!! Sem jamais imaginar o tamanho da bandidagem escondida por detrás do meu, até então, “delicioso” churrasco. 

Enfim, deixando de lado o churrasco dos meus domingos e a (in) certeza de ter me estragado com gordura e papelão, falo agora sobre esse nome propicio e muito bem escolhido pela Policia Federal a essa operação vergonhosa. Volto, às palavras do colega radialista que convidou a reflexão sobre a extensão do sentindo do tema “ a carne é fraca”. E ele dizia, que a carne do brasileiro é fraca. É fraca pelo “famoso” jeitinho brasileiro de se dar bem e fingir que nada fez e acha tudo normal. Realmente, ele com seu jeito simples de ser, nos faz pensar em muitas coisas que assistimos, muitas vezes, diante de nossos olhos e nada podemos fazer, porque no comando tem um poder maior e outros interesses bem mais “importantes”  em jogo. E fico pensando, se a PF resolvesse explodir uma operação geral em todas as instituições brasileiras? Ufaaa!! Ia descobrir muita calhordagem escondida sob os tapetes da hipocrisia. Por exemplo, Malafaia foi desmascarado em suas maracutaias e veio a público etc., Porém, não podemos esquecer de quantos outros milhares de Malafaias estão por ai disfarçados em outras grandes instituições, desviando, oprimindo, subtendidos na “oração”.

O locutor falava, em sua reflexão,  que a carne é fraca não apenas quando adulterada. Mas a carne é fraca quando você engana para se dar bem. A carne é fraca quando  você derruba os outros para crescer e ainda pousa de bom ou boa "samaritana".  A carne é fraca quando você assina um recibo sem receber, para desviar um recurso que tinha outra finalidade social e ainda fala de justiça social, na maior cara de pau. A carne é fraca quando você sabe da opressão, tem autoridade para acabar com ela e faz vista para esconder sua omissão. A carne é fraca quando você seduz uma criança para saciar seu intento e vive pousando de bom cristão. A carne é fraca quando você faz tantas   coisas ruins às pessoas e segue ai imaginando que Deus não sabe. Realmente a carne é fraca e tem muito papelão de contra peso na consciência de muita gente. Porém, o pior de tudo é quando você sabe que tem papelão na sua vida e vive ai pregando religiões e se escondendo por detrás de uma grande hipocrisia. Sei que, também, sou brasileira e com certeza devo ter a carne fraca e até papelão de contrapeso, em algumas situações da minha vida, mas para comigo sou carrasca, não saio fazendo capa com terço ou Bíblia nas mãos. E você? Tem carne fraca ou não? Eu concordo com o meu colega locutor, realmente, a carne é fraca...

Socorro Carvalho 

sexta-feira, março 17, 2017

LÍNGUA PORTUGUESA - UMA VIAGEM!!!

Olha sumano! Tô aqui pra te contá  como foi onte à noite no seminário de língua portuguesa na Ufopa...

Bora lá?

Embarca ai na canua, pega o remo e vamo seguir no remanso e banzeiro na história desse português, que é uma grande viage. Olha manuzinho e manazinha foi uma trabalhera pra fazer esse evento, mas com a ajuda da grande tribo, tudo foi organizado.Mesmo com muita chuva o momento  saiu como era esperado.

Tudo começô com a recepção tinha um curumin e uma cunhatã lá na entrada, sardando os participantes. O casal estava lá produzido de dois poetas famosos, Cecilia Meireles e o garanhão do Camões, sabe que foi bem interessante!!

Depois todo mundo entrô no arditório e o evento iniciô.

Um gatão fez aquele negocio da falação e convidô pra composição da mesa. Só artoridades!! Todo mundo bem perparado e cheio de pavulagem! Desse jeito toda a cambada deu seu recado. Em meio a esse momento, teve prosa e poesia. Umas cabocas e cabocos deram um show, declamando versos com entusiasmo e empogação.Até poesia inédita foi apresentada lá. Éguaaa!! Só gente intelectuá. Na hora da canturia  apareceu um cantô e sua viola, disque é famoso pras bandas de cá, era o Nato Aguiar. Já entrô fazendo graça e com sua alegria se encheu de pavulagem, contou potoca e com sua viola passou o programado. Passado todo esse momento...

Foi a hora pricinpar, momento de assistir a palestra daquelizinho, que veio das bandas de lá, o professô e dotô Dante Lucchesi que veio pra palestrar. E ainda está nessas bandas, manazinho!!!

Ele chegô onte em Santarém boca da noite , a modo. Participou da abertura do seminário de Língua Portuguesa, na Ufopa.

Égua! Foi muito bom! O cabôco é pai d'égua viu. Falô tanta coisa bunita. Disse que o caráter e competência não depende de falar "certo" e quando alguém fica dizendo isso, tá praticando um tar de preconceito linguístico.Num sei explicar direito, mas ele foi porreta e falô tudo bem certinho. Véi, o babado foi pra lá de supimpa. Uma hora lá, ele embolo tudo, mas depois desenrolô de novo. Não sabia se falava com a Luisa ou com a Maria. E nessa hora a , cabocada se abriu na risada. Olha essezinho, o dotô num é daqui, mas tinha hora que falava bem igual um legitimo papa chibé, desses daqui que já são formados. O Dotô  falô da Política, esculachou, avacalhou com quem pensa que sabe tudo e não sabe nada. Foi show, ouvir ele falar daquela cambada.

Mas deixa pra lá vamos jar vortá pra cá. O professô foi convidado disque, pela dotora,  aquelazinha do gelopa,  Ediene Pena Ferreira que tava lá toda prosa. Só o tody a roupa dela. Parece uma sarda da beira do Tapajós ( os bons entenderão). Igual a ela tinha um cardume por lá. Tinha mais otras  dotoras e outros dotores da Ufopa  Ana Maria, Ansermo Colares, Terezinha Pacheco e outros mais, éguaaa legal demais!!

Olha já!! Tu tão foi seu abestado? Olha pequeno, se não fostes, tu não vazes mais , pois agora só em outro seminário. Tará será lezo e não presta atenção na programação da universidade?¹ Cuidado mano, se tu não estudar, tu tá é  lascado.

Assim ocorreu a noite do seminário: Viajando na História Social e Linguística do Português Brasileiro. Cheio de momentos bonitos e preciosos.  O evento prossegue durante o dia de hoje, na Unidade Rondon – UFOPA. Uma viagem linda ao nosso Português de tantas caras e variadas histórias.


Nosso muito obrigado ao Professor Dr Dante Luchesi pela presença. Mas olha , ao dotô deixo um recado. Vê se vai na praia ficar um pouco de bubúia só curtindo um pouco do banho no Tapajós e apreciando nossas muitas paisagens! E, sempre, que puder volte para nos visitar!!Enquanto não viaja aproveite o tempo pra passeá.... Tá ligado?



Socorro Carvalho

CONFIRA ALGUMAS FOTOS... 





















































Fotos tiradas de forma conjunta por nós participantes do seminário