quarta-feira, setembro 20, 2006

A PAZ

Em meio ao murmúrio louco
Desvairado de poder entre Nações
Ouve-se ao fundo
O grunhindo de dor inocente
A criança morre
Esfacela-se nos escombros vergonhosos da ambição
Dos homens que se perderam
Entre os bárbaros devaneios e anseios do fanatismo da ilusão
Que calam vozes
Com bombas,
Terrorismo cruel
Semente de destruição no Mundo.

Deus
Meio sentido
Assiste de longe esse completo desvario
Em complacência
Perdoa a ignorância absurda de Sua mais perfeita criação...O homem.

Semear a Paz
Ver a Paz reinar no Mundo
É um sonho
Sonho dos sensatos
Atônitos, aflitos...
Perdem-se em meio a tanto sangue a molhar o chão.

*Foto: Tomas Sobotka
Socorro Carvalho

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...