quarta-feira, setembro 20, 2006

A PAZ

Em meio ao murmúrio louco
Desvairado de poder entre Nações
Ouve-se ao fundo
O grunhindo de dor inocente
A criança morre
Esfacela-se nos escombros vergonhosos da ambição
Dos homens que se perderam
Entre os bárbaros devaneios e anseios do fanatismo da ilusão
Que calam vozes
Com bombas,
Terrorismo cruel
Semente de destruição no Mundo.

Deus
Meio sentido
Assiste de longe esse completo desvario
Em complacência
Perdoa a ignorância absurda de Sua mais perfeita criação...O homem.

Semear a Paz
Ver a Paz reinar no Mundo
É um sonho
Sonho dos sensatos
Atônitos, aflitos...
Perdem-se em meio a tanto sangue a molhar o chão.

*Foto: Tomas Sobotka
Socorro Carvalho

Postagens em destaque

UM POEMA PARA ÁMON

Há dez meses... Você chegou!!! Trouxe no riso o estro. No calor O mais lindo poema de amor. Tão pequeno, tão meigo. Porém, forte e...