sábado, agosto 18, 2007

AMOR É SÍNTESE


Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...
Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.



Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.

Mário Quintana

ADEUS

Estou aqui pela última vez
nós dois sabíamosque aconteceria um dia...
Um de nós teria que partir!
É triste para mim
mas tem que ser assim.

A sabedoria de viver
consiste tão somente em saber
quando se deve ir.

Foi muito bom te conhecer
melhor ainda o bem querer
que me ensinaste com carinho.

Serás sempre lembrado
na alma e coração
terás o teu lugar,
mas já não pode ser
ficar aqui, idolatrar-te!

A vida tem que seguir
e tem que ser
infelizmente sem ti.
Sempre que olhar o mar
lembres de mim.

Lembres da lenda também
e de quanto eu esperei
que me amasses
como eu te amei.

Mas sorrias sempre
porque é assim
que eu quero ver-te
feliz...
muito feliz!

Não sintas e não lamentes.
Sempre que alguém se vai
o seu lugar é ocupado
por outro alguém:
faz parte do viver!
E o meu agora
precisa ser
muito longe daqui.

Adeus amor;
não me procures
eu não vou te esquecer,
mas não quero dizer isso
olhando-te nos olhos
talvez não conseguisse
só talvez...




Autoria: Tere Penhabe


BEM INTERESSANTE...


O mais estranho, é que gosto mesmo de ti.
Gosto moderadamente dos amigos e tolero os colegas, a porteira,
a empregada e o antunes do supermercado.
Mas de ti, gosto mesmo.
A tua lembrança é um prazer que desliza, surripiando-me;
chegas de repente, agradável como uma brisa quente ou uma boa notícia, e eu imagino-nos cenários,
não amorosos nem eróticos, mas, antes, de circunstância:
encontros fortuitos, casuais, um pequeno-almoço, um relance de carro, um telefonema, uma gargalhada, um encontro de pulsos, de tornozelos.
Faço-o sem qualquer expectativa romântica ou intuito amistoso:
és menos do que um amante e mais do que um amigo.

Não que me sejas mais próximo ou íntimo, porque não o és,
mas porque, mesmo longínquo, me exaltas e entreténs,
ocupando o meu espírito movediço e centrando-o,
como a perspectiva de ir de férias ou de casar amanhã.
Não me iludo, não é disso que se trata: apenas te construo em mim,
uma e outra vez, como uma primeira dentada antecipando a gula, lenta e deliberada.
Nunca o esmaecer do teu rosto me angustia, antes, enleva-me e inspira-me, soalheiro.
Há momentos em que te conduzo para sítios bonitos de cartaz,
como jardins secretos e praias desertas,
e onde te vejo ao meu lado como se estivesses mesmo.
Ali, entabulo conversas, contradigo-te e acotovelo-te,
deixando que me faças cócegas e me olhes longamente,
como os casais nas fotografias.
Encontro-te no estame de uma flor,
na caruma dos pinheiros e na linha do horizonte: basta-me olhar com atenção.
E cheiras sempre bem: uma mistura de pólenes, resinas e maresias,
da qual sobressai o travo adocicado do desejo, quieto como as nuvens mais altas.
Acima de tudo, enterneces-me.
E é esta perenidade mansa, que não reconhece o escavar do tempo,
que não pede retorno e se basta em si mesma,
que às vezes me inquieta e assusta,
nem sei bem porquê.

Desconheço a Autoria

O MINUTO DEPOIS

Nudez, último véu da alma
que ainda assim prossegue absconsa.
A linguagem fértil do corpo
não a detecta nem decifra.
Mais além da pele, dos músculos,
dos nervos, do sangue, dos ossos,
recusa o íntimo contato,
o casamento floral, o abraço
divinizante da matéria
inebriada para sempre
pela sublime conjunção,
Ai de nós, mendigos famintos:
Pressentimos só as migalhas
desse banquete além das nuvens
contingentes de nossa carne.
E por isso a volúpia é triste
um minuto depois do êxtase.

Carlos Drummond Andrade

O VERBO NO INFINITO


Ser criado, gerar-se, transformar
O amor em carne e a carne em amor, nascer
Respirar, e chorar, e adormecer
E se nutrir para chorar

Para poder nutrir-se; e despertar
Um dia à luz e ver, ao mundo e ouvir
E começar a amar e então sorrir
E então sorrir para poder chorar.


E crescer, e saber, e ser, e haver
E perder, e sofrer, e ter horror
De ser e amar, e se sentir maldito


E esquecer tudo ao vir um novo amor
E viver esse amor até morrer
E ir conjugar o verbo no infinito...

Vínicus de Moraes

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...