quinta-feira, outubro 30, 2008

DE REPENTE...


Uma penumbra de saudade
Envolve meus pensamentos
O verso sem rima
Sussurra suave poema...
E em cada linha
Uma tradução de ti
Contida no silêncio da inspiração
A boca da noite (se agiganta)
Engole-me a certeza da tua vinda
Nessa espera infinda..
Nesse vazio cálido de ti.
As lembranças ardentes da tua companhia
A falta do teu riso, meio, sem siso
Traz-me desespero, falta do teu cheiro
Ânsia do teu chamego
Lacuna sem fim...
No meu peito, carente,
Divaga uma imensa saudade
De ti...de ti..

Socorro Carvalho

Postagens em destaque

UM POEMA PARA ÁMON

Há dez meses... Você chegou!!! Trouxe no riso o estro. No calor O mais lindo poema de amor. Tão pequeno, tão meigo. Porém, forte e...