terça-feira, fevereiro 07, 2012

NA AMAZÔNIA ESTÁ A MAIOR ÁREA PROTEGIDA DA EUROPA

Mineração ilegal de ouro é registrada no coração do Parque Amazônico da Guiana. (Crédito: WWF Guianas)
Na Guiana Francesa, território sul-americano que pertence ao estado francês, está o Parque Amazônico da Guiana, maior área protegida da União Europeia. 3.4 milhões de hectares abrigam enorme riqueza e biodiversidade, representadas em cerca de 480 espécies de peixes, 180 de mamíferos, 300 de répteis e anfíbios, 720 de aves, milhares de insetos e mais de 5.800 de plantas. O peixe Hemigrammus guyanensis, a rã Rhinella lescurei e a borboleta Strephonota bicolorata são algumas das espécies endêmicas registradas na região.

Parque Amazônico da Guiana. (Crédito: Divulgação)

Segundo o site do parque, ele foi criado com a missão de conservar bosques amazônicos primários, além de proteger rios e preservar raros habitats caracterizados por alto endemismo. Está inserido em um complexo de proteção de quase 11 milhões de hectares, onde “a combinação do Parque Amazônico da Guiana e do Parque Tumucumaque (e outras unidades de conservação no Pará) formam a maior área protegida de selva tropical no mundo”, afirma Florent Taberlet, do Programa de Ecossistemas Terrestres da WWF Guianas. “O local é habitat de várias espécies que são importantes bioindicadores da saúde da floresta”, complementa Frédéric Montier, diretor do parque.
No Parque Amazônico da Guiana vivem nove mil habitantes, a maioria pertencente às etnias Wayana, Wayampi e Teko. Entre estes povos existe a crença de que o parque os protege de perder seu habitat e de uma possível colonização por “invasores”. Apesar deste senso de proteção expressam interesse em recuperar suas terras já que, pela lei francesa, o território pertence ao Estado. Segundo Félix Tiouka, líder indígena, “queremos que reconheçam nossos direitos”. Na região também residem os bushinengues, descendentes de escravos negros no Suriname.



O longo processo de delimitação
A criação do Parque Amazônico da Guiana é resultado de um processo de quase 15 anos, um caminho bastante longo e dificultoso. De acordo com Moïse Tsayem Demaze, da Universidade de Le Mans, autor do estudo “O Parque Amazônico da Guiana Francesa: um exemplo do difícil compromisso entre a proteção da natureza e o desenvolvimento”, de 1992 até 2007, quando foi oficialmente criado, o parque teve pelo menos quatro propostas de delimitação, com discussões acerca da exploração legal de ouro.




Para o investigador Eric Pauzé, autor de “O último território europeu na América do Sul; os ameríndios da Guiana Francesa contra a legislação francesa no caso do Parque Amazônico da Guiana”, a criação do parque e sua delimitação foi influenciada por grandes companhias auríferas que exploravam a região, como a alemã KWG e as canadenses Cambior, Arasco e Guyanor. “Em nenhum momento foi questionada a possibilidade de atacar a indústria aurífera, ou seja, abandonar a exploração legal ou diminuí-la”, afirma Eric. Por causa disso, o parque teve modificada e diminuída a área inicial proposta.


Apesar dos interesses auríferos, a zonificação final foi publicada em 2007, “levando mais em conta a necessidade de proteger o meio ambiente e a população local do que o desenvolvimento e a possível exploração via mineração legal”, afirma o professor Moïse. Como explica Taberlet, o parque ficou delimitado em duas áreas: a zona central e a zona de livre adesão, tendo a primeira de 2.03 milhões de hectares, chamada também de “zona mais virgem”. Esta área está sob regulamento próprio, adaptado às comunidades que a habitam e que tradicionalmente vivem dos recursos naturais. Já na zona de livre adesão ou periférica, com 1.3 milhões de hectares, as administrações territoriais locais implementam programas coordenados com a administração do parque, como o chamado Leader, cujo objetivo é movimentar a economia mediante o uso sustentável dos recursos naturais, a criação de microempresas e o desenvolvimento de uma agricultura diversificada.



Mineração aurífera, ameaça constante
Desde que surgiu a ideia de criar o parque, a mineração na floresta já era um problema. Hoje é a maior ameaça, comenta Florent Taberlet, “pois atividades ilegais de exploração de ouro têm impacto muito negativo sobre o meio ambiente e a saúde da população local”.





Como comenta Florent, da WWF, “essas atividades diminuíram dentro do parque, mas aumentaram nos arredores”. Atualmente, o Parque Amazônico da Guiana articula ações com organizações estatais no combate à exploração ilegal e monitoramento dos impactos gerados pela extração ilegal de ouro, nas áreas adjacentes ao parque.

A principal ameaça do parque é a presença de garimpeiros clandestinos. Na Guiana Francesa existem entre seis mil e 15 mil garimpeiros ilegais.


Fonte: Eco 

LIVRO MAIS PRECIOSO


A natureza é o único livro que oferece conteúdo valioso em todas as suas folhas.

Goethe
Escritor

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...