domingo, novembro 25, 2012

DOIS...


 Apenas dois.
 Dois seres...
 Dois objetos patéticos.
 Cursos paralelos
 Frente a frente...
 ...Sempre...
 ...A se olharem...
 Pensar talvez:
 Paralelos que se encontram no infinito...
 No entanto sós por enquanto.
 Eternamente dois apenas.
 Pablo Neruda

Postagens em destaque

UM POEMA PARA ÁMON

Há dez meses... Você chegou!!! Trouxe no riso o estro. No calor O mais lindo poema de amor. Tão pequeno, tão meigo. Porém, forte e...