quarta-feira, novembro 27, 2013

DESATINO POÉTICO

Na inspiração,  muitos versos criei...
A poesia fluía, tinha harmonia em cada verso.
Tudo era cálido.
Tinha verso em cada palavra.
O tempo passou...
Sucumbiram-se  os poemas, as rimas, os versos.
Hoje o gélido tempo
Massacra a poesia  com um um frígido silêncio  que não passa.
As palavras se extraviaram
O silêncio  se amplia e também a distância.
Em meio a essa selva de pedra,
Um calor que já não aquece a poesia.
Cá dentro do peito, uma saudade, uma melancolia.
A inspiração se agasalha,
Pulsa fraco o coração.
A noite passa devagar...
Só as paredes são companhias,
O silencio permanece.
Já não há poema, nem tampouco poesia.
Cada segundo é  uma eternidade,
Dentro desse tempo " frio", que não passa...
Nostálgica sensação,
Lembranças  ímpares.
Ilusão louca, que existe em permanecer aqui...




Socorro Carvalho

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...