sexta-feira, dezembro 19, 2008

FALAR DE AMOR...

O que é o Amor?
É um pedaço do teu corpo entregue em outra alma,
É o pensamento que vaga distante, quando tu não estás presente.


É o jeito de falar com os olhos, sem precisar nada dizer,
É só se perceber o brilho, que ofusca a quem se busca...
É deixar vagar a mente...

É saber que mesmo distante, tens teu coração junto ao meu...
É saber que tu podes penetrar no meu corpo, sem precisar me tocar...
É sentir que estás perto, mesmo sem te enxergar...
É perceber que tu chegastes com o tempo...
Nos descaminhos que nos fizeram unir os corpos,
Como se as almas se encontrassem...


É sentir-se completo, pleno, cheio de forças e de sonhos...
É poder sentir teu toque, teu cheiro, teu gosto, teu ser...
É sentir o ofegar da tua respiração, quando encontra com a minha...
É saber que teu abraço, me sustenta e me ampara...
É ouvir tua voz trêmula, com medo da vida que me trouxestes até tu.
É ver que o tempo passou mais devagar para mim...


O Amor, o que é o Amor... nessa vida sem rumo, sem tempo certo?
É o encontro da escuridão da noite, com os raios do sol...
É o nascimento da semente, que cresce para a vida...
Que faz crescer a flor, que exala o mais doce perfume...
E que se deixa morrer, para que dela outras possam nascer...


O Amor, o Amor é...
O encontro das gotas do mar, que fazem crescer as águas...
É a chuva que cai... É o vento forte, que se mostra na tempestade...
É a brisa que te beija sempre ao amanhecer...
É o sol que brilha, lembrando que é hora de um novo amanhecer...


O Amor, o Amor é...
Como a vida, que começa devagar, nos passos incertos de uma criança...
Depois continua na incerteza de passos ainda mais incertos...
E por fim, se vê o caminho que o tempo não te deixou seguir
Por não ter chegado a tua hora...
E quando é a hora de Amar???
São todos os segundos que a vida te entrega,
São todas as manhãs que o dia te chama,
São todas as noites que o dia te cala.


É quando teu coração se prepara para dar,
Não esperando para receber...
É quando tu te entregas, sem medo de perder...
É quando tu consegues sorrir de tanto chorar...
É quando tu consegues se elevar dos sonhos...
É quando teus lábios murmuram o silêncio...
É quando tua voz penetra no espaço...


É quando tu sentes que chegou tua hora...
É quando as horas encontram seu tempo...
É quando um pedaço de mim se vai...
É quando percebo que tu já não vives em mim...


É então que busco encontrar os sonhos...
Para então poder ter a vida ao meu alcance...
Antes que eu não possa mais senti-la...
É tentar te encontrar na eternidade...
Para novamente poder te Amar...


(Desconheço o autor)

* O amor é lindooooo...
E Amar é bom demais!!

DESPEDIDA DE AMOR


Existem duas dores de amor:
A primeira é quando a relação termina e a gente, seguindo amando,
tem que se acostumar com a ausência do outro, com a sensação de perda,
de rejeição e com a falta de perspectiva, já que ainda estamos tão embrulhados na dor que não conseguimos ver luz no fim do túnel.
A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel.
A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços,
a dor de virar desimportante para o ser amado.
Mas, quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida:
a dor de abandonar o amor que sentíamos.
A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade,
de ficar livre, sem sentimento especial por aquela pessoa. Dói também...


Na verdade, ficamos apegados ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou.
Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém.
É que, sem se darem conta, não querem se desprender.
Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um souvenir,
lembrança de uma época bonita que foi vivida...
Passou a ser um bem de valor inestimável,
é uma sensação à qual a gente se apega.
Faz parte de nós.
Queremos, lógicamente, voltar a ser alegres e disponíveis,
mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo,
que de certa maneira entranhou-se na gente,
e que só com muito esforço é possível alforriar.
É uma dor mais amena, quase imperceptível.
Talvez, por isso, costuma durar mais do que a 'dor-de-cotovelo' propriamente dita.
É uma dor que nos confunde.
Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra.
A pessoa que nos deixou já não nos interessa mais,
mas interessa o amor que sentíamos por ela,
aquele amor que nos justificava como seres humanos,
que nos colocava dentro das estatísticas: "Eu amo, logo existo".


Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou, externamente,
sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente...
E só então a gente poderá amar, de novo.



Martha Medeiros

* Égua do texto...

POEMA DO ADEUS...



Esses são versos de adeus!
Esqueça dos beijos meus...
Cansei dos sonhos...
Esqueça meus lábios risonhos!

Vou partir por outras paragens!
Quem sabe encontro à felicidade?!
Na plumagem de uma flor...
Na variedade de tons da cor?!


Estou sedenta por delicadezas
Choro agora de tristeza
Por tanto engano!...
Desço o pano...
Fecho a cortina...
Encerro a cena!
Arrependo-me como Madalena
Dos meus pecados
Tão bem decifrados por ti!
Perdi a lucidez
Numa total insensatez!


Quero que te ausentes
Desta minha louca vida!...
Desta alma dorida
Que chora o adeus...
Adeus...
Aos lábios teus!

Adeus a esta louca paixão
Acendida entre ternuras e lassidão...
Em over dose de amor!...
Ipês em flor...
Tapetes de luar...
Verde azul oceano...
Águas profundas do mar!...


Não tente decifrar
Este louco coração
Que explodiu em paixão...


Encontre-me na minha poesia
Numa canção...
Ou melodia...
Sinta esta minha nostalgia
Que me impulsiona
A um novo amanhecer!
Novo viver...
Sem você!

Carmen Vervloet


*Lindo poema!!
Essa é mágica da poética que faz a dor e o pranto
se transformarem numa bela inspiração.
Às vezes, é mesmo inevitável dizer Adeus
para que possamos descobrir e viver o nosso próprio eu.
(Socorro Carvalho)

GENTE IMPORTANTE...DE FÉRIAS EM SANTARÉM


Direto de Roma está de férias em Santarém o Padre Auricélio Paulino da Silva...
Ele mesmo com todo seu carisma e alegria!
Pe. Auricélio veio amenizar a saudade da familia, dos amigos, amigas e claro da nossa linda e amada Santarém.
Para quem ainda não sabe o quase italiano (risos) está realizando um estágio na Rádio Rural de Santarém, já estamos ansiosos em saber quando é que ele vai chegar aqui no Projeto Rádio Pela Educação.
Pe. Auricélio está quase italiano e na ponta da língua tem o idioma
e fala com uma classe que só você vendo...
Até declamou poema pra Rosa Rodrigues, é verdade, te mete?!
Mas não traduziu pra gente saber o que dizia o poema. rsrs
Nem a Rosa explicou como já conhecia parte do peoma....kkkkk
Coisas de Rosa!
Ao nosso ilustre amigo os nossos desejos de BOAS FÉRIAS e FELIZ NATAL!!!

Beijos!!!

Socorro Carvalho


ÁLVARO

Mimo da minha paixão.
Menino lindo, afilhado querido.
Anjo em forma de canção.
Sinfonia de amor que alegra meu coração.

AMO VOCÊ....MUITÃO!!!


FELIZ NATAL, MEU AMOR!


Beijos cheios de mimo


Da sua dindinha
Socorro Carvalho

Postagens em destaque

UM POEMA PARA ÁMON

Há dez meses... Você chegou!!! Trouxe no riso o estro. No calor O mais lindo poema de amor. Tão pequeno, tão meigo. Porém, forte e...