terça-feira, março 24, 2009

LACUNA


Pensamentos divagam soltos.
Na fresta do tempo
A saudade desfila pela noite
Faz-se amante da melancolia
A madrugada invade a noite
Traz a insônia de presente
A cama está vazia.
No quarto frio,
Um vazio...
Uma ausência.
Na taça uma bebida quente
No fundo a música preferida
Faz confusa a emoção
Os versos estão sem nexo, sem rima, sem tradução.
Tentativas vãs
De preencher a lacuna da solidão.





Socorro Carvalho

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...