sexta-feira, dezembro 02, 2011

UMA BOA PERGUNTA...


U

CARAJÁS E TAPAJÓS - Dividido em três, o Pará será mais rico e mais cobrado pela


Nas mãos dos eleitores do Pará, no domingo 11, o Brasil tem uma chance histórica para dar dois passos à frente. Cerca de 4,6 milhões de paraenses irão às urnas para votar no plebiscito que pode dividir sua atual área territorial em três, criando dentro dela os Estados de Carajás e Tapajós. À primeira vista, de pronto se enxerga mais políticos (dois governadores, seis senadores, dezenas de deputados federais e estaduais) e novas estruturas de poder (sedes governamentais, assembleias legislativas, etc.). Uma antevisão, infelizmente, forte o suficiente para embotar a razão, mas que precisa ser ultrapassada. Esses dois novos Estados, se aprovados, terão extrema importância para a economia não só do Pará, mas de todo o Brasil.

Tome-se, em benefício da análise, as mais recentes criações de Estados no Brasil. É consensual, hoje, que o corte do antigo Mato Grosso em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, efetuado em 1977, foi um acerto de duração permanente, mesmo tendo ocorrido em plena ditadura militar. A divisão daquela imensa área levou para municípios e populações antes desassistidas novos serviços públicos. Estes, por sua vez, aceleraram o desenvolvimento econômico e social regional, consolidando atualmente Mato Grosso do Sul como um dos maiores produtores de alimentos do País. Não houve, como contrapartida, qualquer esvaziamento da riqueza inerente a Mato Grosso. Mais ­recentemente, em 1988, nasceu, de um vértice de Goiás, o Estado do Tocantins. Imediatamente após sua criação, a nova capital, Palmas, tornou-se um grande polo de atração de indústrias e serviços.

Onde hoje há apenas o gigantesco Pará, com seu 1,24 milhão de km² (equivalente a quatro Itálias!) de conflitos sociais e péssimos indicadores de ­desenvolvimento humano, amanhã o quadro tem tudo para ser outro – caso os eleitores locais superem a desinformação inicial e abram passagem para o crescimento. Vítima do desmatamento, por meio do qual o banditismo impera e se produz um noticiário repleto de crimes políticos e chacinas, sabe-se, há muito, que a atual estrutura de governo do Pará é insuficiente para elucidar todas as suas complexas equações. Os fracassos administrativos se acumulam, governo após governo, à esquerda ou à direita. A verdade é que há, naqueles limites, um Estado cujo tamanho equivale ao de vários países europeus, mas apenas um único e singular governo.

Ao mesmo tempo, Carajás e Tapajós nasceriam sobre terras férteis para a agricultura, ricas para a mineração e amplas o suficiente para que nelas conviva o gado. Administrações mais próximas da população local seriam mais cobradas, melhor fiscalizadas e teriam, dessa forma, renovadas condições para preencher o atual vácuo administrativo.

O Brasil, cujo tamanho territorial é comparável ao dos Estados Unidos (8,5 milhões de km² contra 9,6 milhões de km²), chegou a um PIB de US$ 2,19 trilhões em 2010. O irmão do Norte, mesmo combalido, atingiu US$ 14,7 trilhões – mais de seis vezes maior. Aqui, são 27 Estados. Lá, 50. A relação entre produção de riquezas, território e organização administrativa, goste-se ou não, é direta.













Leonardo Attuch



                                                                                                                 Fonte: Isto é

I OFICINA EM TÉCNICAS DE ARTESANATO EM MADEIRA NO TERRITÓRIO BR-163



O IPAM realizará a I Oficina em Técnicas de Artesanato em Madeira noTerritório da BR-163 no período de 12 a 15 de dezembro, na vicinal dos Baianos, em Rurópolis, Pará.

A oficina dará início às atividades de capacitação em uso de práticas produtivas sustentáveis na região de influência da rodovia BR-163 (Cuiabá-Santarém), no estado do Pará. Estas ações estão prevista no contrato firmando entre IPAM e FAO no âmbito do componente II do Projeto BR 163: Floresta, Desenvolvimento e Participação.

A oficina pretende contribuir para o aumento da capacidade dos produtores familiares na aplicação de técnicas de produção de artesanato através do aproveitamento de madeiras caídas.  Essa é uma abordagem que possibilita a construção de uma linha própria e diferenciada de produtos de madeira na região, de maneira que são também inseridas numa estratégia própria de comercialização. Além disso, a ação é uma forma de valorizar a floresta e o uso sustentável dos recursos florestais madeireiros e não-madeireiros no território da BR-163.

O processo de capacitação será desenvolvido a partir das seguintes temáticas: i) Abordagens sobre estratégias de confecção de produtos artesanais diferenciados;  ii) Análise acerca do uso de ferramentas alternativas na produção de artesanatos em madeira; iii) Técnicas de manutenção e fiação de ferramentas artesanais; iv) Desenvolvimento de técnicas para a produção de artesanatos em madeira; v) Aplicação prática dos conhecimentos adquiridos através de modelos de artesanatos desenvolvidos de forma participativa.

Como estratégia de sustentabilidade da ação na região, o IPAM deixará a estrutura necessária para dar continuidade na produção de artesanatos de madeira. Assim sendo, será viabilizada uma construção física que abrigará os artesões, equipamentos, ferramentas e as bancadas onde serão confeccionados os artesanatos em madeira. Todos os equipamentos e ferramentas adquiridos para realização da capacitação serão doados à comunidade da vicinal dos Baianos para uso da comunidade nos processos sequenciais a serem estabelecidos na produção de artesanatos.

Fonte: IPAM.


ALMOÇO NO RESTAURANTE POPULAR

Após dezenas de convites feitos pelo companheiro de trabalho  Cesar Sousa  para almoçar no Restaurante Popular  de Santarém , hoje, finalmente  resolvi ir conhecer o restaurante.

O cardápio? Feijoada. E, diga-se de passagem, deliciosa. Desde a entrada fui observando tudo com meu olhar  critico e sinceramente não percebi nada que me desagradasse.
Tudo bem limpinho e a comida deliciosa.

Até no banheiro entrei e também estava  bem higienizado. O piso, as  mesas, enfim tudo bem organizado. O detalhe mais interessante as pessoas que atendem no restaurante são educadas, recepcionam com  alegria, atenção e muita cordialidade.

A capacidade diária do restaurante é o fornecimento de até mil refeições. Cada bandeijão terá cerca de 1k de alimento e custará R$ 2. Ao todo, 17 pessoas trabalham no restaurante.

O Restaurante popular  de Santarém está  instalado no complexo do Mercadão 2000, na Avenida Tapajós.


De parabéns está a Prefeita Maria do Carmo pela concretização do espaço. Espaço esse fruto de iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Social e Programa de Combate a Fome do   Governo do Presidente  Luiz Inácio Lula da Silva, O LULA ( meu Presidente, e daí?)rsrs

Quem quiser mudar a rotina e dar uma passadinha lá para conferir. Eu recomendo.Hoje quebrei a rotina, fiz algo diferente e não me arrependi.

Socorro Carvalho



GLOBO REPÓRTER VAI MOSTRAR IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR USINAS


O programa desta sexta-feira (2) viaja pela área onde vão ser construídas 16 novas usinas hidrelétricas e encontra preciosidades amazônicas.

A grande floresta que vai virar lago: o Globo Repórter desta sexta-feira (2) viaja pela área onde vão ser construídas 16 novas usinas hidrelétricas e encontra preciosidades amazônicas.
Como o menor passarinho do Brasil, o caçula, constrói seu ninho? Em encontro de arrepiar: uma onça surge diante da equipe de reportagem na Transamazônica.
Nossos repórteres voam ao lado da ararajuba, a mais brasileira de todas as aves, com uma impressionante plumagem verde-amarela que brilha como ouro. Encontram ainda araras azuis e vermelhas, macacos prego, bugios e cairaras.
Quantas vidas ameaçadas pela gigantesca inundação? Nos rios, há 400 espécies de peixes grandes, pequenos e desconhecidos. Quantos vão vencer o obstáculo criado pelas barragens?
Árvores gigantescas: morada de saguis e zogue-zogues. Macacos aranha: a mata destes bichos vai desaparecer completamente? Tartaruga da Amazônia: no caminho do progresso, uma sobrevivente da era dos dinossauros. E os brasileiros que vivem nesta imensa região: o que vai acontecer com eles?
Não perca. É nesta sexta (2), no Globo Repórter.

 Fonte: G1

PE.EDILBERTO SENA VISITA COMUNIDADE CATÓLICA AVEIRENSE

Lúcio Costa, Pe.  Odirley Maia   e Pe. Edilberto Sena


Assim como o povo católico festeja e homenageia a Padroeira  Nossa Senhora da Conceição em Santarém e Almeirim. O povo católico aveirense passa pelas mesmas alegrias dos festejos da Mãe de Jesus.É  com essa festa de alegria que o vigário da Igreja local Pe. Odirley Maia recebeu na tarde e noite de ontem o Pe. Edilberto Sena, diretor da Rádio Rural de Santarém.


Pe. Ediberto Sena aproveitou o ensejo e visitou a Rádio Comunitária Tropical-FM 87,9 MHZ,  onde conversou com Diretor Presidente da emissora local e dessa conversa juntamente com Pe. Ordiley Maia, pudemos fazer acertos de parceria entre as duas emissoras e também o Pe. Ediberto Sena pôde matar a saudade dos laços que prende o vigário à cidade de Aveiro, pois aqui a sua avó foi sepultada.


 Na mesma ocasião o Pe. Edilberto Sena, após visitar as instalações da Rádio Comunitária, viu e sentiu de perto as dificuldades da administração de uma emissora sem fins lucrativos a onde não existe apoio do poder público e também saber que uma emissora comunitária não trabalha com o comercial propriamente dito, e sim com apoios culturais que não passam de valores simbólicos a penas para manter a emissora no ar pagando as despesas internas.


 O Diretor da Rádio Rural fez um convite ao repórter Lúcio Costa, para voltar a ser novamente o repórter correspondente da Rádio da Rural de Santarém em Aveiro. Após longos anos tenho o prazer de integrar a equipe de Jornalismo da Rádio Rural, os quais têm uma equipe conceituada dentro do jornalismo paraense e estarei pronto para dar igualdade de expressão à população carente do município de Aveiro, levando a informação verdadeira aos ouvintes da Rádio Rural.


Á noite o Pe.Ediberto Sena, celebrou a missa no salão paroquial da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, já que está sendo construído um novo templo.Pe.  Edilberto foi aplaudido pela comunidade católica presente, que tinha a responsabilidade  da Comunidade de Daniel de Carvalho.


Por Lúcio Nunes


O VALOR DA AMIZADE



Conta uma lenda árabe que dois amigos viajavam frequentemente pelo deserto e certa vez discutiram, brigaram e um esbofeteou o outro. O que apanhou sem nada dizer escreveu na areia "Hoje, meu melhor amigo me bateu no rosto".

Mais tarde fizeram as pazes e seguiram viagem. Chegaram num oásis resolveram tomar banho. O que havia sido esbofeteado começou a afogar-se, sendo salvo por seu amigo. Quando se recuperou escreveu numa pedra "Hoje meu melhor amigo salvou minha vida".

Intrigado, o outro perguntou:“- diga-me; por que depois que bati em você escreveu na areia, agora que te salvei a vida escreveu na pedra?” Sorrindo, o outro respondeu:“- Quando um grande amigo nos ofende, deveremos escrever na areia, onde o vento do esquecimento e do perdão se encarregam de apagar. Mas quando nos faz algo grandioso, deveremos gravar na pedra da memória do coração, onde nenhum vento do mundo poderá apagar!”

Desconheço a autoria


Postagens em destaque

VERSOS, PARA MEU NETO...

Um dia você chegou... Trouxe consigo o melhor verso. A brisa que acaricia, O vento que embala. Seu sorriso trouxe o alvorecer.   ...