A ESTÓRIA DA YARA DO LAGUINHO COM O ÍNDIO DA SERRA DA ESCAMA



Certa vez, um lendário Boto resolveu dançar numa festa lá pras bandas do Imperial, próximo ao Paraná de Baixo, no Município de Óbidos. Lá estando com seu terno branco e chapéu na cabeça, aproximou-se de uma linda moça debruçada no parapeito da casa, e perguntou-lhe:

- A senhorita sabe dançar?

A moça, olhando bem nos seus olhos, com uma voz macia, lhe respondeu:

- Embora sejas um rapaz formoso e atraente. Desculpe, não costumo dançar com qualquer estranho.

Mas o Boto transformado em homem não desistiu, ficou muito impressionado com tanta beleza em sua frente, então quis saber seu nome, e perguntou-lhe onde morava. A moça então lhe respondeu:

- Moro num lago, bem ao lado da cidade presépio. Para dançar comigo cavalheiro, primeiro tens que me provar ser um bom dançarino. No entanto, o meu nome, distinto, jamais saberás.

O homem-boto nunca havia se deparado com uma moça tão misteriosa, percebeu que não seria nada fácil encantá-la. Ao contrário, estava impressionado, jamais tinha visto uma moça com beleza tão rara, e sutil personalidade. O interesse por aquela jovem ficou latente. Sabia, contudo, que estava diante de um ser especial, uma moça diferente daquelas casuais com quem sempre encontrava nas festas do Paraná de Baixo. E para se mostrar, aproveitando a alegria do maxixe executado pela “pau e corda”, pavulamente resolveu tirar outras moças para dançar e demonstrar suas habilidades de dançarino, que comumente fascinava as tapuias.

Depois de uma voltinha pelo salão, resolveu procurar aquela moça formosa outra vez, mas para sua tristeza, percebeu que não se encontrava mais no recinto, desaparecera. Decepcionado, procurava-o por todos os lados, e, finalmente, olhando para o estirão vazio, restou-lhe uma voraz indagação. Quem seria, afinal, aquela preciosidade de moça bela e misteriosa?

 

Ademais, o Boto transformado homem jamais deveria se esquecer, as 4:00 da matina, haveria de voltar para as águas barrentas do rio Amazonas. E como festa em Óbidos jamais acaba na hora prevista, sempre tem aquela coleta para o Conjunto levar mais tempo tocando, foi quando um dos patrocinadores resolveu levar o "arrasta-pé" até as cinco da manhã.

Nesta altura, um famoso caborges curandeiro da região chamado "Estelino Espanta Raio", alcunhado também de “alma do vento” natural lá do São Raimundo, na encosta de Óbidos, segundo dizem, morador dos rios, das matas, e do infinito, este, se deparou com o homem Boto, e ao reconhecê-lo, disse-lhe:

- Ser encantado das águas, o que estás fazendo até estas horas nesta festa? Não sabes que quando fores descoberto, corres o risco de ser morto neste salão.

- Acho que o feitiço virou contra o feiticeiro, disse o homem-boto. Vim aqui na esperança de encantar uma moça, e acabei encantado. Não sei seu nome e nem seu paradeiro...estou desesperado.

Foi Alma do Vento então que lhe segredou e confortou, dizendo-lhe estas palavras:

- Reza a tradição no sertão destas paragens, que quando o ser das águas se apaixona de verdade, mas de verdade mesmo, nunca mais volta a ser peixe, vira bicho-homem pra sempre, feito um índio.

Nem bem o dia clareou, o homem Boto já era totalmente um índio Pauxis. O terno sumiu do seu corpo, o chapéu branco que escondia o furo da sua cabeça transformou-se numa linda cabeleira negra sobre os ombros.

Lembrando do que aquela moça misteriosa lhe disse, partiu rumo a cidade de Óbidos, na esperança de encontrá-la. Primeiro foi a procura do lago onde ela morava. Lá chegando, para sua surpresa, encontrou o lago ao lado de uma serra bonita, a Serra da Escama, onde o seu verde musgo contrasta com o bordado amarelo de florido pau d'arcos. O índio então resolveu morar bem na aba da serra.

Numa noite enluarada, ouviu um cantar misterioso vindo da beira do lago, bem próximo a um Cutiteiro, e resolveu se aproximar para conhecer quem estava cantando.

Ao chegar perto, avistou uma linda moça, com todo o esplendor que a sua alma sonhava, e logo a reconheceu. Não tinha dúvida, era a mesma que conhecera naquela noite deslumbrante. Ali estava enigmática, a moça misteriosa da festa do Imperial. Agora metade mulher, outra metade peixe. O índio todo surpreso e apaixonado, não resistiu, tomou-lhe nos braços e deu um beijo na sua boca. A moça Yara lhe abraçou firme e com sua voz macia declarou as seguintes palavras:

- Teu olhar cósmico atrai minha vida passageira das galáxias dos sonhos. Mergulho num mundo de espelhos de diferentes formas e tamanhos. Ao olhar para eles, não consegui enxergar meu reflexo. Tudo o que vejo é a tua alma sorrindo para mim...num processo de encantamento sem fim. E assim há de ser... porque és quimera do meu querer. O doce encanto que dá vida a vida. O prenúncio sempre presente da paixão. Por isso digo: TE AMO! Para que apaixonadamente o conduza ao sabor da mais louca emoção. Emoção de amar! Emoção de querer! Emoção de fazer da vida um banquete de magia e prazer. Esses versos são teus...Índio encantado da Serra da Escama, você é o amor da minha vida.

E num passe de mágica, a parte peixe da cintura pra baixo, foi se transformando num corpo de mulher completa. Os dois então se abraçaram, e depois se beijaram muito e fizeram amor na prainha de areia branca, perto do Cutiteiro, sendo testemunhados apenas pela luz do luar. A Yara do Laguinho então viveu pra sempre ao lado do seu Índio da Serra da Escama, apaixonados e felizes.

Por isso, acolhe a tradição da moça obidense que vai se casar, para ser feliz no casamento, primeiramente, tem que tomar um banho com o seu pretendente na beira do Lago Pauxis, ao lado da Serra da Escama. Dizem que dá sorte, numa reverência carinhosa a essa história. Uma coisa é certa, segundo afirma uma antiga e conhecida parteira do lugar, Sra. Maria Zoraya:

- Hum hum! Pode até não ser feliz, mas moleque na barriga, com certeza vem...

Por Eduardo Costa
Compositor, cantor, escritor e poeta obidense.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases picantes que homens gostam de ouvir na hora do sexo

UMA CARTA PARA MEU FILHO AMADO..

ENFIM... MEUS 18 ANOS DE IDADE!!!