segunda-feira, fevereiro 24, 2014

O AVESSO DO VERSO


A noite vai passando,  junto dela se vão  quimeras,  na vã  tentativa de compor versos... O olhar infinito, perdido,  estático, remete-me  para dentro do meu próprio eu,  enquanto incógnitas preenchem meu universo. Perguntas sem respostas,  flutuam no vento que toca minha face. E o pensamento se perde no devaneio dessa estranha nostalgia.  No silêncio mais profundo, permaneço. Meu silencio é o contraste perfeito da  loucura,   das  minhas  horas insanas de desejo.   O universo indiferente, ausente já não traz em si a inspiração. Imagens atordoam minhas lembranças. Num  breve  instante,  sinto a inspiração repousar,  aqui, dentro do meu  peito.  As horas e a inspiração se vão, enquanto o avesso do verso  insiste em permanecer .  A noite se prolonga, o sono não vem,   as palavras silenciam e brincam de esconde, esconde... sob  as entrelinhas dos versos.


Socorro Carvalho

NOSSA LIBERDADE DE AMAR...



Postagens em destaque

AH, ESSE AMOR!! AH, ESSE APEGO...

Ela tinha nos olhos um vislumbrar de esperança e no coração sentimentos inesquecíveis. Nas horas tristes escrevia novos versos. Li...