quarta-feira, abril 26, 2006

FASCÍNIO
















Com os olhos do coração
Contemplo o teu olhar.
Flutuo na imaginação,
E vejo-te entre meus devaneios.


Sem malícia você é encanto,
Reluzente inspiração
Da minha poesia de paz.
Docemente beijo tua boca.
Com meus dedos acaricio-te,
Faço com carinho o delinear de tua face macia.
Desenhando os traços
Maravilhosos do teu rosto.


No fundo dos teus olhos
Mistérios que me fascinam.
No sabor da tua boca
Perco-me na ilusão sem medidas.
Teu beijo doce, suave...
Cala minha voz, é abrigo.


Tua voz tem o tom da minha música preferida,
Nela encontro o refúgio,
Consolo único para meu sossego.
Entre palavras ditas
Quase murmuradas
Frases juntam-se
No desvario leve do nosso amor.
Tudo é acalento!


Em nosso abraço forte
O calor amigo da nossa amizade,
Simplificada na eterna fascinação
Da tua presença em minha vida.
Tradução absoluta do amor,
Que arde e harmoniza o meu coração.

Socorro Carvalho


PÓSTUMO A RAUL SEIXAS

Renascerás um dia em algum lugar.
A gritar por uma nova sociedade,
Unicamente em prol da felicidade humana.
Longe dos “homens porcos” que um dia o chamaram vagabundo.

Serás o grito da liberdade
Estonteando paz e amor, em outra dimensão da vida.
Irreverente, palpitante e inteligente. Sempre o
Xereta, odiado pelos caretas.
A ovelha negra da erva danina. Mas
Sempre o poeta, o poeta maluco. Que um dia passou de droga em droga, para agüentar a
hipocrisia podre dessa droga, chamada Sociedade.
Socorro Carvalho

NÃO TENHO CULPA


Meu olhar despiu teu ser,
Envolvi-me em teus mistérios,
Abracei teu corpo, beijei tua boca.
Senti teu prazer dentro de mim,
Como seiva se derramou quente...
Ofegante, gritei... Sussurrei,
Fui ao clímax.


A hora chegou
Vestiu-se e partiu, deixando-me adormecida.
Como andarilho fugiu na madrugada...
Acordei, e ao erguer minhas mãos a tua procura...
Nada encontrei,
Apenas o vazio... Você se foi.


Não fiquei triste,
Procurei lembrar os bons momentos vividos,
Do nosso amor proibido.
O nosso segredo
Que nos tornou comuns do mesmo desejo.
Coisas nossas procuras e loucuras...
Irrepartíveis, alienadas dos preconceitos,
No silêncio... Desse amor proibido.


Sem culpas, sem medos...
Apenas preenchido
Pela cruel realidade dos riscos,
Dos nossos instantes,
Jamais esquecidos.
Não me condene... Não tenho culpa!
O meu amor simplesmente, aconteceu.

Socorro Carvalho

Postagens em destaque

POEMA CABOCLO

Meu amor... Tem cor de alvorecer. Carícia de brisa das manhãs. Cor de pôr do sol. Aroma de cupuaçu... Sabor do bombom de muruc...