sábado, abril 02, 2011

CAVALEIRO DO AMOR

Cavaleiro do Amor, sobe à armaria e cinge
o teu saio de malha, a eril sapata e o guante!
Arrocha o arnês, empluma o casco, ergue o montante
e enjaula, na viseira, o teu olhar de esfinge!


Vem, desce ao pátio e monta o teu corcel possante;
enrista a lança audaz que roça a adarga e ringe;
transpõe o fosso ? e vai, e verte o sangue, e tinge
de goles teu brasão, ó cavaleiro andante!


Vai, vence! E, vencedor, dirás: "Eu, se fui forte,
se desprezei a vida e se afrontei a morte,
é que amei, é que amei como ninguém mais ama!


E fiz, pela paixão que neste peito encerro,
meu arnês mais tenaz que o meu amor de ferro,
meu gládio mais fatal que o olhar da minha dama!"

Guilherme de Almeida (1890 - 1969)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...