ORQUIDÁRIO


Um cheiro de ser outro, um colhereiro
no lago dos meus olhos. Quantas vezes?
De quantos dias fez-se esta memória
e o quanto evaporou da sua essência?


Minha uma vida evola-se, e não fixo
nada de meu que saiba a acontecido.
Não fosse o fogo, tudo era uma névoa
de sensações e aromas mutilados.


Mas tu és vivo em mim, e ainda exalas,
sem que eu te peça, um cravo de inocência,
que ora me embala, e ora me perfura.


Perfume de uma infância que se lembra
e que se esquiva quanto mais a quero.
Lembrar é flor que nasce além do tempo.


II


Lembrar é luz difusa e fugidia
que à revelia, sempre, incide ou morre.
Essas crianças, rindo, de mãos dadas,
aonde correm quando as surpreendo?


Viver é uma (a)ventura da memória.
Como ordenar os cacos, os lampejos,
e que sentido fazem, como mapa,
sob este Sol mais puro? Um novo mito?


Caleidoscópio manso e sem pecado,
enfim te vejo, mas não sei se alcanço
ser um contigo no correr da tarde,


ser um com a luz que filtra pelas flores
e recortar na sombra este mosaico
sob um caramanchão que se entressonha.



Jason Carneiro (1972 - )


Recado do Jason Carneiro
Amigas, Amigos,


Eu me pergunto, perguntei-me sempre, que vida a minha se não o que me lembro. Eu me pergunto, ainda agora o faço, ante a memória que me vai fugindo, algo para sempre, algo para que venha o novo, se isto que fica, e nem tudo é lugar e data e cor de roupa, se isto afinal sou eu, eu, o que escolhi (quanto escolhi?) do que me aconteceu. E porque me pergunto, perguntei-me sempre, cismei de responder, a buscar insone o velho Orquidário de Santos, um laivo do que foi infância, ou talvez seja, fundo mistério louco, ainda infância em mim.


Grandes abraços, e boa semana,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases picantes que homens gostam de ouvir na hora do sexo

UMA CARTA PARA MEU FILHO AMADO..

ENFIM... MEUS 18 ANOS DE IDADE!!!