quinta-feira, julho 28, 2011

JASON CARNEIRO -POETA PARAENSE NASCIDO EM SANTOS...




Amigas, Amigos,


Um sonho puro e bom, um sonho simples. Desses que encantam e justificam a vida. Procurá-lo já é vivê-lo. E vivê-lo, como nos ensina Helena Kolody, é transportar-se para fora das plagas deste mundo. Algo em nossa alma nos apronta para ele. Confiemos.

Grandes abraços, e boa semana,

Jason



Jason Thomas Guerreiro Carneiro é um paraense nascido em Santos, SP, em dezembro de 1972, e criado no Rio de Janeiro. Casou-se em 1997 com Larissa, sua namorada desde 1994. Acredita no Amor e na Literatura porque ambos, de muitas maneiras, salvaram a sua vida.

A família Guerreiro é uma frondosa árvore genealógica amazônica. A família Carneiro é um arbusto. A casa no Rio Comprido, onde Jason viveu entre 1983 e 1996, com os pais, a avó paterna e os três irmãos mais moços, era uma espécie de embaixada paraense.

Graduou-se em Geologia pela UFRJ em 1995. Trabalhou em Serra Pelada e na região de Carajás, para a Vale do Rio Doce, entre 1996 e 1999. Nessa época, viveu em Belém. Ao Rio Comprido somaram-se outros rios.

Em 1995 lançou seu primeiro livro de poemas, “Jardim do Teu Silêncio” (edição do autor). Em 2003, veio a público “Assim Nascem os Horizontes”, pela Ibis Libris. O primeiro, embora tenha passado despercebido pela crítica, esgotou a edição de 600 exemplares. O segundo foi acolhido por grandes nomes da crítica nacional, como Pedro Lyra e Ivan Junqueira.

Tive a honra de conhecer Jason por meio do  blog e desde então passei a receber poesias todas a quartas feiras. Poeta de mão cheia Jason tem livros editados e até fui presenteada com um deles e gostei bastante, por isso, recomendo uma visita ao site do Jason:
  CAIS DO SILÊNCIO
Para que assim você possa, também,  conhecer quanta arte se esconde por detrás desse rosto tão sério de homem e de poeta.



Socorro Carvalho




Um comentário:

  1. Anônimo11:26 AM

    Paraense lança filme sobre Cabanagem

    Depois de escrever e dirigir os longa-metragens Ajuê São Benedito, que trata da temática do trabalho escravo nos seringais da Amazônia, e Ajuntador de Cacos, retratando a fé e a dedicação do padre Giovanni Gallo, fundador do Museu do Marajó, em Cachoeira do Arari, no Pará, o cineasta, diretor e roteirista Paulo Miranda lança no sábado (30), em Barcarena, a partir das 19h, o filme O Cônego – Senderos da Cabanagem, da produtora Lux Amazônia.
    O filme é uma ficção inspirada em fatos históricos e conta a experiência vivida pelo cônego Batista Campos no período anterior à Revolução Cabana, que teve como desfecho a tomada de Belém em 7 de janeiro de 1835. Esse o primeiro longa-metragem de ficção do cineasta sobre a temática da Cabanagem.
    “Como obra pioneira, não busca abarcar todo o movimento cabano, mas se pauta na trajetória de uma de suas mais influentes lideranças: o cônego Batista Campos, um homem místico, militante político e intelectual a serviço da gente mais simples do Grão-Pará”, detalha o diretor.
    Resgate histórico
    O cineasta diz que embora tenha seu nome emprestado a um dos logradouros mais importantes da capital paraense, a Praça Batista Campos, o religioso ainda é um ilustre desconhecido até mesmo entre os estudantes.
    “Com o filme O Cônego – Senderos da Cabanagem, a produtora Lux Amazônia e seus parceiros querem contribuir para que este e outros personagens cabanos saiam do esquecimento a que estão relegados. O cinema tem este papel de resgatar a história e trazer à luz dos dias atuais os acontecimentos da Cabanagem”, diz Paulo Miranda.
    O diretor afirma que o cinema nacional ganha mais um trabalho com a cara e o sotaque amazônico.
    “Se antes a luta era por liberdade, autodeterminação política e econômica, hoje assume também uma importância cultural e artística, principalmente num tempo de globalização e otimização dos vários processos e meios de comunicação”, diz.
    O Cônego – Senderos da Cabanagem foi realizado pela Lux Amazônia Filmes com o patrocínio da Prefeitura de Barcarena e é fruto do projeto Filma Pará. A ação cultural integrou o poder público municipal, o empresariado e a comunidade local para viabilizar a obra cinematográfica genuinamente paraense.
    “Dar voz e articular coletivamente a ação interpretativa junto com a comunidade foram fatores inclusivos em todo o período da filmagem”, diz Paulo Miranda.
    O projeto envolveu 30 técnicos e produtores e aproximadamente 60 atores, todos selecionados e capacitados pelo coletivo da Lux Amazônia no próprio município de Barcarena. A direção de fotografia é de Sandro Miranda. A direção de Arte é de Raimundo Matos e Sandro Miranda. A direção de Produção foi feita por Ane Viana e Eliene Ribeiro. A produção Executiva ficou a cargo de Minorose Batista, Wellington Lucas e Rutinéa Miranda.

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...