terça-feira, agosto 09, 2011

VINHO PROIBIDO II


…Mais uma taça de vinho proibido e a embriaguez doma  nossos sentidos. Corpos sedentos, carentes, almejam beber na fonte do prazer.


Sem timidez  mãos se movimentam  e cada peça de roupa vai sendo jogada ao chão… A voracidade do desejo não espera e faz de nós,  dois escravos da ousadia que nos devora. Corpos nus, palavras sussurradas, bocas sedentas passeiam ardentes a procura de alimento para saciar a ânsia, a fome do querer.

Corpos livres. O vinho proibido traz na embriaguez a liberdade do nosso amor escondido. Meu corpo, seu corpo, nossos corpos, molhados, umedecidos, loucos, perdidos entre os mistérios de grutas e vales... Enquanto lábios degustam  vorazes o vinho natural vindo do prazer.
A primeira gruta  jorra   sua  bebida preferida e proibida... Sua boca louca, estaciona,  mata a sede. Cada gota é alimento, sustento, água que mata a sua sede. Num frenesi de  contentamento e segredo se delícias com cada gota de orvalho que se derrama em sua boca…

No vale escalo seu falo e no seu corpo busco algo para matar minha sede... E em desespero  encontro a bica que faz nascer doce fonte de água pura, tenra seiva que feito mel escorre doce molhando  minha boca.

Na embriaguez, não há tréguas, limites só uma vontade louca  de descansar  em cada beijo.
No desvario da vontade louca já não há lucidez, só a insensatez e os devaneios.  Na   ânsia dos seus beijos   já não  há  conceitos que domem esse louco desejo. Sobre a mesa duas taças esquecidas… Na cama dois corpos se alimentam vorazes entre gritos, sussurros e  gemidos. Nossos corpos se caçam, se acham e  juntam no declive grutas e colinas. Na  calmaria do nosso olhar ou na  loucura  do nosso jeito de amar... Esse amor nos doma, nos alimenta e fascina.

Ah vinho proibido, delírio do coração, embriaguez fluindo inspiração dando  liberdade a esse amor de pecado e perdição. Amor que arde e aprisiona o  peito… Vinho proibido, bebida  que instiga minha loucura, mata minha sede, acorda a imaginação. Em cada taça de vinho o apetite avassala o peito, alimenta a emoção  e faz esquecer a razão.

A noite termina… O êxtase deixa nossos corpos consumidos... Enquanto isso, sobre a mesa desarrumada duas taças vazias… E na minha cama você, meu vinho proibido…


Socorro Carvalho  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...