COM SABOR DAS LETRAS - FÁBRICA DE POEMAS





Sonho o poema de arquitetura ideal
Cuja própria nata de cimento 
Encaixa palavra por palavra, tornei-me perito em extrair  
Faíscas das britas e leite das pedras. 
Acordo;
E o poema todo se esfarrapa, fiapo por fiapo.
Acordo;
O prédio, pedra e cal, esvoaça  
Como um leve papel solto à mercê do vento e evola-se,
Cinza de um corpo esvaído de qualquer sentido
Acordo, e o poema-miragem se desfaz 
Desconstruído como se nunca houvera sido.
Acordo! Os olhos chumbados pelo mingau das almas
E os ouvidos moucos,
Assim é que saio dos sucessivos sonos: 
Vão-se os anéis de fumo de ópio 
E ficam-me os dedos estarrecidos.
Metonímias, aliterações, metáforas, oximoros
Sumidos no sorvedouro.
Não deve adiantar grande coisa permanecer à espreita
No topo fantasma da torre de vigia
Nem a simulação de se afundar no sono.
Nem dormir deveras.
Pois a questão-chave é:
Sob que máscara retornará o recalcado?



Entenda o conceito de recalque e retorno do recalcado em: Artigo Psicologado



* Emprestado do blog: Sabor das Letras

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases picantes que homens gostam de ouvir na hora do sexo

UMA CARTA PARA MEU FILHO AMADO..

ENFIM... MEUS 18 ANOS DE IDADE!!!