quinta-feira, dezembro 22, 2011

DESPEDIDA...


Despeço-me das lembranças.
A poesia   vai repousar nas entrelinhas da amplidão.
O olhar ocultará antigos desejos... segredos.
Enquanto os pensamentos
Já não falarão de saudade.
Do outro lado da porta...
Abandono agora  os devaneios.
Versos esquecidos.
Rascunhos ignorados.
Escolha feita.
O tempo não é mais o mesmo.
Nada mais tem sentido...
Só existe a distância.
O amor para sempre?
Adormecerá no íntimo...
Fecharei os olhos para seguir.
Sem olhar para traz
Rumarei ao horizonte escolhido.
Os meus caminhos e passos?
Não  mais o importarão.
Minha  boca cessará  seus beijos, seu nome.
Enquanto meus caminhos seguem  paralelos ao seu.
A vida segue indiferente.
Eu sigo sozinha
Em sentido contrário ao seu caminhar.
Preciso calar esse sentimento...
Desisto do seu coração.
Não posso mais insistir em amar você.
Não se preocupe.
O tempo vai cicatrizar
Essa ferida do peito meu.

Socorro Carvalho






DESEJO


Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.


Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.


Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.


Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.
Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.


Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.


Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.


Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.


Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.


Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga "Isso é meu",
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.


Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.


Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar ".



Victor Hugo

Poema   recitado pelo professor Anselmo Colares
 dentro da sala de aula (N1) na UFOPA, no dia 13 de dezembro de 2011.  

TURMA N1 - MOMENTOS DE DESEPEDIDAS


Todo ser humano normal  tem a sensibilidade de criar laços e cativar amizades de  forma sadia, mesmo em meio as muitas dificuldades e diferenças.
Na N1 foi assim...

Quando cheguei tudo era diferente. Pessoas estranhas. Ambiente esquisito!!
O tempo passou e de repente fiz os primeiros contatos
 e logo  já trocava idéias com vários colegas.

O tempo passou e os primeiros grupos se formaram. Os primeiros trabalhos, as primeiras notas.
O nosso grupo de trabalho era composto por 05 integrantes: eu – Maria do Socorro, Marlison Soares, Maria Dolores, Maira    Cristiane e Gleber Vilela.

As notas, o  desempenho sempre eram sempre  muito  bons. Graças a Deus!
Os finais de semana sempre na casa da Cristiane, regado a muita comida e comida... kkkk
Porém, cheio de diálogos que  enriqueciam nosso aprendizado pessoal. Cada um e cada uma com seu jeito somavam um todo que tornava nosso encontro fantástico.

No decorrer da semana, na Universidade, a mesma amizade. O lanche partilhado. Até mesmo quando não tinha nenhum centavo. O legal é que nunca ficava com fome. Sempre tinha lanche garantido, graças a Deus.
E até posso confessar que na UFOPA e junto daquela turma animada me refugiava dos problemas do dia a dia, das dores de cotovelo, das contrariedades e dissabores de determinados acontecimentos...
 mas deixa isso pra lá.
Na universidade só os estudos, a vontade de chegar ao curso desejado sempre regado de ânimo e amizade.    Sem falar dos muitos risos de nada que animavam nossa noites.
Até a volta pra casa tinha carona garantida. Pois todos os dias era convidada pela Dolores a ir pra casa de carro,  o pai dela ia   buscá-la todas a noites e ela sempre me levava.
 E rapidinho estava em casa. Que maravilha!!
Ah, a Dolores também adoçava minhas noites com uns drops de nome Azedinha ( uma delícia).
 Porém, o mais divertido era descascar o bombom que sempre estava grudado na  embalagem.
 Até com essas bobagens  a gente sempre se divertia.

 Marlison sempre gentil, presente, dava  jeito pra tudo. Os resumos enviados via email. A produção dos slides, divisão de assuntos e direcionamentos dos trabalhos. E até a mãozinha quando um de nós não entendia. Que legal!!
Em cada fim do dia, por  tudo isso agradecia a Deus, todos os dias, antes de dormir. E mesmo antes de pegar no sono ficava a maginar como Deus é maravilhoso em nos presentear com a amizade de tantas pessoas legais e preatativas.

A turma em geral era demais. Luciano com seu espírito de liderança; Marcelo com sua considerações filosóficas; Gleidson com sua alegria; Elaíne com seu jeito extravagante; Luciana com sua risada engraçada;  Márcia com seu medo de apresentar os trabalhos; Cleiton com seu companheirismo; Aron com seu silêncio; Giogio com seu atraso; Gleber e sua rebeldia; Dulcirene com seu jeito de menina; Odiná com seu olhar observador; Messias com seu sorriso tímido; André com seu boné e  aquele  jeito moleque; Kamila na com seu sorriso bonito; Ronaldo com sua voz firme;Rose  com seu alto e louco alto astral; Cristiane com seu jeito zen; Dolores com seu jeito “pontual”...rsrs;
 Marlison  com seu sorriso irônico mas sempre com  de  jeito amigo
. Enfim, cada um e cada uma com seu jeito contribuiu para que a N1 se transformasse  num grupo tão especial.

 Não posso esquecer também dos professores: Gilberto, Anselmo, Everaldo, Nelcilene , Eleny. Cada um desses educadores de uma forma peculiar foi super importante  em nosso aprendizado. Eles e elas ficarão, também, na minha memória como parte marcante da minha trajetória acadêmica.
O semestre encerrou e minha torcida é que todos e todas nós consigamos alcançar nossos objetivos dentro de nossos cursos escolhidos.E dessa forma possamos contribuir para a construção de uma sociedade melhor e um  mundo  mais justo para toda a humanidade.
No meu coração já sinto saudade dos nossos momentos juntos.  No entanto, saber que vamos estar no mesmo Instituto e claro no mesmo prédio já me conforta.
Assim vamos pelo menos poder   nos ver e estar mais próximos.
A cada colega de aula meu abraço sincero.
Meus agradecimentos por todo carinho, por cada palavra e sorriso de incentivo, pelos  lanches partilhados, por cada elogio e em especial pela amizade
 de cada um e cada uma  dos meus colegas da N1 do ICED - 2011.


Feliz Natal!!

Feliz Ano Novo!!


Um grande abraço!!!

Socorro Carvalho


Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...