sexta-feira, fevereiro 10, 2012

UMA SEMANA EM MAMIRAUÁ

Eu e a Samaúma. Foto: Nathan Shepard

“Quando o rio baixa, as famílias logo começam a plantar para dar tempo de colher. É sempre uma luta. Se a seca dura mais, a gente lamenta ter plantado pouco. Se a cheia vem forte antes do tempo, perdemos muito. Nunca sabemos direito, mas precisamos ser pacientes. Como minha mãe dizia, aqui na floresta a gente está sempre recomeçando”. Ednelza Martins fala calmamente, no ritmo da correnteza que passa às suas costas. Tem histórias para contar, receitas de remédio para ensinar, lendas e causos para instigar a criatividade do ouvinte. Há quatro anos ela é gerente da Pousada Uacari, localizada dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá.

Mamirauá fica a uma hora e meia de barco de Tefé e 600 km de Manaus, no Rio Solimões. A saga parece cansativa, mas é insignificante quando se chega à reserva. Visitamos duas comunidades, conhecemos sobre sua cultura, vimos muita vida na floresta, do macaco uacari a carapanãs (pernilongos) super poderosos, sapos, jacarés. De pequeninas frutas murumurus a cipós, pés de munguba e a gigantesca Samaúma.

Eu quase chorei quando estava lá, no meio da maior floresta equatorial do mundo, aquele clima quente e úmido, as comidas deliciosas, os peixes todos, a noite que passamos no meio da floresta com o guia (Sr. Chiquinho) na casa de palafitas envolta por telas. Os trovões e raios que nunca trouxeram chuva, mas que nos iluminaram a noite toda junto com inúmeros vaga-lumes. Os macacos guariba escandalosos. As cobras venenosas. As aranhas cabeludas, mas inofensivas. O cacau fresco que abrimos e cujas sementes degustamos quando, ao mesmo tempo, vimos o pôr do sol no Lago Mamirauá rodeados de pássaros.

Foram dez dias de conhecimento, novidades a cada bafo quente de vento, a cada respiro. A gente acordava e ia observar a vida na floresta.  “Chegar em Mamirauá é como chegar ao paraíso. Os botos saltando ao lado do barco, as borboletas e os pássaros saudando os novatos, aquela imensidão verde ao redor”, declara Deise Nishimura, bióloga paulistana que passou nove meses na reserva estudando os carismáticos botos cor-de-rosa. Opinião semelhante tem o fotojornalista Valdemir Cunha. “É o céu estrelado mais incrível que já vi”, afirma.

“É espetacular estar em uma canoa percorrendo a floresta inundada. Não tem comparação a nada que eu já tenha experimentado antes”, declara Nathan Shepard, estadunidense, em sua primeira experiência amazônica. Para o inglês Michael Leigh, “comparada à rotina da cidade, a lembrança mais forte que tenho desta viagem é de tranquilidade”.

Quem vai a Mamirauá volta diferente. Seja por ter conseguido avistar o raro uacari branco ou por ter passado uma noite na casa da floresta, visto o pôr do sol na canoa, conhecido moradores locais, conversado com pesquisadores, tentado enxergar o topo da gigantesca Samaúma, ter sido apresentado à munguba, ao pássaro alencorne, à osga (um réptil) ou simplesmente observado a natureza em sua máxima exuberância. Uma viagem à Amazônia nos ensina que, para apreciá-la ao máximo, como lembra a dona Ednelza, precisamos ser pacientes, mudar o olhar e recomeçar. Tudo muito intenso, justamente por ser novo para mim. Ou porque a floresta é intensa mesmo.

Christiane Kokubo é jornalista, trabalha com turismo e hotelaria e certamente nunca mais vai se esquecer de sua primeira viagem pela Amazônia


Fonte: O Eco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...