quarta-feira, abril 25, 2012

AMOR CONDUSSE NOI AD NADA


Quando o olhar adivinhando a vida
Prende-se a outro olhar de criatura
O espaço se converte na moldura
O tempo incide incerto sem medida

As mãos que se procuram ficam presas
Os dedos estreitados lembram garras
Da ave de rapina quando agarra
A carne de outras aves indefesas

A pele encontra a pele e se arrepia
Oprime o peito o peito que estremece
O rosto a outro rosto desafia

A carne entrando a carne se consome
Suspira o corpo todo e desfalece
E triste volta a si com sede e fome.

Paulo Mendes Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...