quinta-feira, janeiro 03, 2013

SONETO DA CONCUPISCÊNCIA


Fremem meus bagos, lascivos contornos
- acesos, gordos, cheios no crescente;
e negam o crepúsculo dormente
e clamam sangue em danças de retornos.

Cada fibra que enfurnece o meu todo,
molduras sensuais e de paixão
fali o lume em renhida decisão:
a de ater-me ao celeste deste lodo.

Avulto-me então: corpo que se entrega.
e fúlvido, elástico, manso, calmo,
forcejo-o nos brios e ele se nega.

Calma! Sensatez! Acaricia o arroubo.
Evita a pressa, contorna a imprudência,
e cede amor, negando um grosso logro.
 
  Adolfo Maurício

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...