SONETO DA CONCUPISCÊNCIA


Fremem meus bagos, lascivos contornos
- acesos, gordos, cheios no crescente;
e negam o crepúsculo dormente
e clamam sangue em danças de retornos.

Cada fibra que enfurnece o meu todo,
molduras sensuais e de paixão
fali o lume em renhida decisão:
a de ater-me ao celeste deste lodo.

Avulto-me então: corpo que se entrega.
e fúlvido, elástico, manso, calmo,
forcejo-o nos brios e ele se nega.

Calma! Sensatez! Acaricia o arroubo.
Evita a pressa, contorna a imprudência,
e cede amor, negando um grosso logro.
 
  Adolfo Maurício

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases picantes que homens gostam de ouvir na hora do sexo

UMA CARTA PARA MEU FILHO AMADO..

ENFIM... MEUS 18 ANOS DE IDADE!!!