QUE MULHER É ESSA?



Nas últimas semanas o tráfico de mulheres tem sido alvo de debate, provavelmente por ser tema de uma novela que se encontra no ar. Para alguns parece ser algo distante, para outros, mera ficção. O tema é tão hediondo que faltam palavras para expressar a indignação que o tipo de crime suscita. Uma sensação de mal-estar interior cresce ao longo da leitura dessas reportagens. É uma indignação visceral, um sentimento de desamparo no sentido real do termo, abandono ao mal, violência sem qualificação a que a sociedade assiste inquieta e temerosa.

Ciente da responsabilidade do meu papel de formadora de opinião, pretendo alertar que corpos femininos estão se tornando coisas, mercadorias, objetos banais. Negócio lucrativo como outro qualquer. Será essa uma questão nova na bandidagem internacional? Sabemos que a questão é antiga e que continuamos simplesmente assistindo ao horror infligido pelos criminosos. Estes e outros crimes fazem-me pensar o quanto a humanidade tem perdido em sensibilidade, respeito e dignidade.

É a grande miséria econômica que torna essas mulheres vulneráveis ao “canto da sereia” convocando para “trabalhos no Exterior”, não imaginando a escravidão que lhes espera. É a carência ou a ganância que convoca corpos a se venderem para a soberania do capital, invertendo a importância que o ser humano deve a si mesmo.

A banalização da vida e da pessoa conduz a esse tipo de indústria, fundada na imoralidade e na impunidade. É lucro hediondo sobre o sonho dessas mulheres de conquistarem uma vida melhor. É lucro hediondo sobre o uso e abuso dos corpos, como se fossem corpos sem face, sem nome, sem identidade, sem pátria.

Vendem-se corpos também na TV, no cinema, nos outdoors, nas esquinas da vida. A profissão de modelo, na qual garotas submetem-se a uma modelagem padronizada e tirânica de seus corpos, não é também uma forma de escravidão feminina? Até quando muitas das mulheres ainda serão simplesmente descritas como bonitas, feias, gostosas, gordas, magras, sedutoras, frias, fáceis, difíceis, velhas, jovens, enfim, de um modo estereotipado, discriminativo, preconceituoso, injusto e degradante de nomear a mulher, como se a atribuição cabível fosse de que ela é um objeto sexual, um ser de uso doméstico destituída de valores como pessoa?

Que seja dito que somos pessoas corajosas, lutadoras, amáveis, ativas, empreendedoras, cultas, capazes, sensíveis ou não, mas que sejam encontradas outras formas de dizer sobre a mulher que somos. Crescemos, saímos do lugar das sombras que fomos mantidas por tanto tempo.

Que a dor não seja só feminina e o prazer não seja só masculino. Nosso apelo para o ano que iniciou é que ele seja mais humanizado por ações mais éticas, com justiça e solidariedade em relação a essas questões e muitas outras. E principalmente, que nós mulheres valorizemos o nosso corpo, nossa dignidade e nossa alma. Não podemos mais ir para um mercado em que nos colocamos como algo a ser desejado e adquirido. Temos muitos valores e bem mais reais do que apenas um corpo bonito!

Zenilce Vieira Bruno 
Psicóloga, sexóloga e pedagoga

Blog do Arthur Bruno

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frases picantes que homens gostam de ouvir na hora do sexo

UMA CARTA PARA MEU FILHO AMADO..

ENFIM... MEUS 18 ANOS DE IDADE!!!