quarta-feira, julho 17, 2013

ENTRE DUAS AMIGAS


O que está em jogo quando elas resolvem disputar o mesmo sujeito?

Suponham uma situação deste tipo: Fulana é amicíssima de Sicrana desde a infância, mas têm lá suas diferenças. Então aparece um homem no meio delas. Com a maior naturalidade, e sem que o sujeito se dê conta, ele vira objeto de disputa. Não pelo corpinho sarado ou pela vibrante personalidade, - como ele imagina - mas porque, estando entre as duas, se transforma em troféu de um torneio que vem sendo disputado, secretamente, desde um momento remoto da adolescência comum: quem é mais sedutora? Qual das duas ele vai escolher?


Conheci um sujeito nessa situação. Trinta e quatro anos, separado, conheceu no bar duas amigas inseparáveis. Em poucos dias ambas pareciam empenhadas em conquistá-lo. Enquanto ele não escolhia uma delas, nenhuma se entregava inteiramente. Mas tampouco pareciam chateadas com a presença da outra na jogada. Civilizadíssimas, não pressionavam ou faziam cena. Apenas marcavam presença e cobravam, indiretamente, que ele tomasse uma decisão. A bola parecia estar inteiramente com ele, mas não estava. Ele descobriu que era a bola.

Se boas amigas resolvem disputar o mesmo homem, ele talvez devesse retirar-se da disputa, por uma única razão: parece-me improvável que as duas o queiram. Ao menos da mesma forma. Há tanta coisa acumulada sob o tapete de uma velha amizade que é difícil imaginar que dali possa emergir uma paixão comum pela mesma pessoa. A amizade é um sentimento tão complexo e contraditório que contamina tudo que está ao redor dela. Se produzir uma disputa amorosa, certamente haverá mais coisas em jogo que o simples afeto de uma terceira pessoa – e acho que isso vale também para amigos que se ponham a disputar uma mulher.


De qualquer forma, não é confortável ser o objeto de disputa entre duas amigas que resolveram usá-lo para acertar pendências emocionais. Há nesses conflitos uma sutileza de códigos e uma intensidade de sentimentos que estão além da rudimentar cultura masculina. As mulheres têm, em relação aos homens, uma capacidade muito maior de acumular ressentimentos. Quando eles vêm à tona, ainda que recobertos de sorrisos, o resultado é feio. O homem posto no papel de prêmio tende a sair da experiência de mãos vazias. Chamuscado e magoado.


Antigamente, quando só havia entre os homens predadores inconsequentes, não havia tanto risco num leilão desses. Um cara esperto tentaria aproveitar a rivalidade entre as amigas para obter uma farrinha em duas frentes. Provavelmente terminaria sozinho, mas com uma boa história para contar aos amigos. Hoje em dia – para o bem ou para o mal – não é mais assim. Há muito homem por aí que não fica confortável em ser usado. Apesar de estar confuso entre duas mulheres atraentes, ele pode ter sentimentos sinceros. Eles não combinam com disputas secretas ou manipulações emocionais, sejam elas propositais ou inconscientes.


Quando se percebe indeciso entre duas amigas, um homem sensível sente-se culpado. Afinal, ao agir de forma ambivalente ele está provocando conflito entre duas pessoas que se gostam. No segundo momento, ao notar que as amigas parecem não se incomodar com a sua indecisão, vem o alívio: não é que elas são realmente modernas? Só depois lhe ocorre, num lampejo de inteligência, que a esmola é boa demais para ser autêntica. Por trás dos sorrisos e do “tudo bem, eu não me incomodo” há de fato uma guerrinha em andamento. Pior, talvez nenhuma delas esteja realmente apaixonada por ele. Talvez tudo não passe de um xadrez secreto em que os sentimentos por ele são o elemento menos relevante da disputa. O que conta é o placar da velha rivalidade entre as amigas e os sentimentos subterrâneos que a alimentam.


É claro que amigos também disputam mulheres entre si, talvez movidos pelas mesmas rivalidades obscuras. Mas o jogo é travado de forma distinta, com resultados diferentes. Os homens raramente são sutis. Eles pressionam, fazem cena, exigem solução, resposta, escolha. Os sentimentos são expostos de forma pública, com consequências óbvias sobre a amizade. Ela estremece, racha, às vezes se desfaz. As mulheres, por disputar às escondidas, podem fingir depois que nada aconteceu, e retomar a amizade – assim como a implacável e risonha competição.


Tendo visto algumas coisas desse tipo, recomendo cautela aos envolvidos. Mesmo homens que se julgam durões talvez devessem declinar do papel de prêmio de disputa entre amigas. As águas nessas regiões afetivas são sempre mais profundas e perigosas do que parecem. As amigas – e os amigos, claro – talvez devessem evitar competir pela mesma pessoa. Será mesmo que não há mais ninguém no mundo? Trata-se de desejo irrefreável ou seria a apenas competitividade exaltada pelo longo convívio? Como eu disse, as grandes amizades são sentimentos complexos e contraditórios, assim como intensos. Únicos também. E imensamente necessários. Preservá-los talvez devesse ser uma prioridade na nossa vida – ou mesmo fora dela, quando nos sentimos na posição de ameaçar a amizade dos outros.


Ivan Martins
Fonte: Época

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

UM POEMA PARA ÁMON

Há dez meses... Você chegou!!! Trouxe no riso o estro. No calor O mais lindo poema de amor. Tão pequeno, tão meigo. Porém, forte e...