sábado, março 23, 2013

PORQUE EU NÃO PRECISO DE UM HOMEM


Muitas mulheres estão “sozinhas” hoje, por opção, sem medo de suposições de mentes empobrecidas ou do julgamento de uma sociedade hipócrita. Estar sozinha (no quesito homem) não é exatamente ser sozinha, até porque há muitas pessoas (creio que a maioria) que possuem um marido, namorado, amásio e não possuem um companheiro, cúmplice e amigo. 

O homem, no sentido geral, é um eremita em potencial, perdido em seus próprios pensamentos e anseios, somos difíceis de sermos abastecidos para nos sentirmos plenos, e relações a dois só seriam gratificantes se nos fizessem crescer com sentimento de plenitude, numa sintonia bem maior, que vai muito além da cama. Entendo que esse tipo de pensamento é perigoso e que pode nos tornar egoístas por demais, no entanto, a evolução feminina tem se baseado na observação desse tipo de comportamento no gênero masculino, que assim determinou e viveu durante séculos. Nossa submissão só serviu aos homens enquanto apoio e muletas para suas ascensões e segurança. Ficamos com a procriação, a criação dos rebentos, as responsabilidades domésticas vitais para garantirem aos “companheiros” a confortável e aconchegante continuação dos cuidados maternos que sempre objetivou e garantiu a liberdade masculina de “alçar voos”.

Com o passar dos tempos, descobrimos as asas em nós mesmas, percebemos que somos saturno e não o anel. Em decorrência disso a sociedade se transformou. Há mulheres que, infelizmente ainda se perdem por esses labirintos da autovalorização pelas dificuldades que temos em lidar com o amor romântico, presente em muitos homens, todavia sem forças suficientes para vivê-lo, compreendê-lo e aceitá-lo. A visão masculina, primeiro de deslumbra com uma linda gaiola, almeja, para depois então, ali depositar o mais belo pássaro que encontrar, uma mulher. A gaiola é dele, o pássaro também, claro que com as asas podadas para servir a um proprietário com liberdades plenas sobre a gaiola, com absolutas e “merecidas” liberdade de ir e vir.

Isso tudo não existe mais, ou tende a se extinguir. Não queremos mais chefes, patrões e muito menos algozes. Somos quase absolutas, não fosse o amor romântico. Estamos nos apurando, sendo mais exigentes e, por conseguinte cada vez mais apostando em uma mulher consciente só ( sem homem) do que em uma mulher consciente , mal amada e submissa. Não aceitamos mais andar atrás do homem que nos diz amar, ou estamos lado a lado ou estamos conosco, na melhor das companhias. Como sempre digo a mim mesma: Eu, comigo, fazemos um par perfeito!

Mediante essas questões, hoje muito claras aos meus olhos, concluo, eu não preciso de um homem porque:

- Lavo minhas roupas, passo, cozinho para mim mesma e minhas filhas e sei fazer todo o trabalho doméstico;

- Trabalho, pago minhas contas;

- Tenho o melhor, mais verdadeiro e fiel amor que é o das minhas duas flores;

-Nunca enxerguei relacionamento a dois como uma forma de “degrau social ou econômico”, o preço a se pagar seria alto demais e minha vida não tem preço;

- Não preciso dar satisfações do que faço a ninguém e tudo o que faço é responsável e assumido;

- Saio para onde quero, com quem eu quero e a hora e dia que quero, não tenho horários para a minha volta;

- O meu cabelo é meu, portando o deixo da maneira que me agrada, da cor que me “dá na telha”;

-Visto o que gosto, no comprimento que acredito ideal e me satisfaz, me amo diante de meu espelho, aprovação ou desaprovação, só minha;

-Cozinho para mim e minhas filhas, que possuem toda a liberdade de fazerem o mesmo quando qualquer coisa não lhes agrada;

-Meus amigos são os que eu escolho, e somos amigos por afinidades, respeito, apreciações, apoio e companheirismo (na alegria e na dor, na doença e na saúde, na pobreza e na riqueza);

-Não tenho que suportar “ataques” de ciúmes, cobranças a respeito do meu jeito de ser e nem enfrentar brigas e discussões que na maioria das vezes só servem para gerar medo, desconfianças e criar recalques e “mágoas”;

- Tenho uma convivência intima e satisfatória comigo mesma, não me machuco, não me recrimino, não me traio, não me critico porque estou mal humorada, triste ou brava. Não me humilho e nem me deprecio;

-Trabalho com o meu crescimento espiritual e pessoal sem que ninguém me puxe para trás, meus amigos, filhos, familiares e a mulher em mim só me colocam para cima;

-Durmo em uma cama imensa, cheia de travesseiros e edredons, só minha. Ventiladores, janelas abertas...Decido o meu melhor;

-Mantenho e preservo minha dignidade porque sou digna, sei muito bem o que faço e não quero ninguém para puxar, empurrar ou carregar;

-Não preciso de um macho, sou bem resolvida e me conheço mais e melhor do que qualquer um, embora, se precisasse, a fila é sempre grande, cheia da oferta de subprodutos, já quase obsoletos, prejudicados pelo mau uso num mercado perigoso que pode nos custar até a vida;

Essa talvez seja uma pequena lista, quem quiser acrescentar mais coisas, fique à vontade, vemos a vida de várias formas, eu respeito todas, mas meu dever é buscar sempre o melhor para mim mesma, pois de mim partem vários outros universos .

Daí pode vir a pergunta: Ela não gosta de homens?

Respondendo: Adoro!!!! Conheço muitos maravilhosos, admiráveis, mas não tive o privilégio de nenhum desses estar em minha vida. Esse texto não é uma apologia à solteirice e nem uma declaração de “guerra” ao homens, mas um relato de uma opção que eu creio como a ideal no momento, visto que, tenho certeza , algum dia encontrarei o homem mais evoluído, menos egoísta e transbordante da hombridade necessária para caminhar ao lado de uma grande mulher ( sem falsas modéstias).

Enquanto ele não vem, me amar e viver intensamente cada minuto maravilhoso que eu sei me proporcionar.

Lucy Correia

Fonte: Vila Mulher

SEXO - CINCO MITOS SOBRE A HORA H



Quando o assunto é sexo, o que mais escutamos são teorias. Basta sentar em uma roda de amigos que a conversa vem à tona, no entanto, o difícil mesmo é saber o que é ou não real.

Mas, cá entre nós, na hora H é tudo bem diferente do que é falado por aí.

De acordo com a escritora e especialista em sexo, Tracey Cox, grande parte dessas hipóteses deve ser reavaliada. Para isso, ela listou em seu blog no site do jornal Daily Mail os mitos mais comuns na hora do sexo e dá alguns conselhos sobre o que fazer quando você se deparar com tais situações. Dá só uma olhada!

Lingerie sexy não é Viagra - se a sua vida sexual está em banho-maria, pode ter certeza que por mais sexy que a lingerie seja, o que ela pode até ajudar o seu parceiro a perceber que você está se esforçando para seduzi-lo. No entanto, não é uma peça de roupa íntima que irá salvar seu relacionamento ou aumentar a sua libido.

Prazer marcado na agenda - Ok, reservar um dia ou outro para dar mais atenção ao parceiro é uma coisa. Mas não dá para marcar horário para a transa. Tenha sempre em mente que sexo é desejo e não planejamento. Por isso, se você está querendo esquentar o clima, opte por táticas mais discretas. Ao invés de avisar que marcou uma viagem, por exemplo, passe no final do expediente para pegar o gato e fale que preparou uma ‘coisa especial’ para ele, vende-o e leve-o para o Motel. Aposto que ele vai adorar a surpresa!

Esgote o tempo regulamentar - Pesquisas afirmam que as mulheres levem em média 20 minutos para atingirem o orgasmo, contando com o ato sexual com constantes estimulações do clitóris. Antes de deixar o parceiro preocupado com o tempo do ato, saiba que esse número, apesar de ser apontado em estudos científicos, é só um mito. O tempo para a mulher chegar ao clímax pode variar de 1 a 40 minutos, dependendo de caso para caso. Sem falar que definir um tempo, seja ele mínimo ou máximo, desmotiva qualquer casal.

Detetives do sexo - Para as mulheres que acreditam que os homens possuem um radar que os avisa quando você está fingindo o orgasmo, pode respirar aliviada. Quando a mulher está para chegar lá não existe contração vaginal, coração disparado ou veia saltada que garanta que o gozo aconteceu de fato.

Para atiçar a brasa - Os homens são extremamentes instintivos e adoram ser provocados. Para aumentar a libido do gato vale usar vendas nos olhos, usar óleos de massagem corporal, balas de menta ou pedrinhas de gelo para apimentar o sexo oral. O que importa não é a escolha, mas que o tempo de duração do sexo será prolongado e, consequentemente, o prazer.

Quando o assunto é sexo, o que mais escutamos são teorias. Basta sentar em uma roda de amigos que a conversa vem à tona, no entanto, o difícil mesmo é saber o que é ou não real.
Mas, cá entre nós, na hora H é tudo bem diferente do que é falado por aí.

De acordo com a escritora e especialista em sexo, Tracey Cox, grande parte dessas hipóteses deve ser reavaliada. Para isso, ela listou em seu blog no site do jornal Daily Mail os mitos mais comuns na hora do sexo e dá alguns conselhos sobre o que fazer quando você se deparar com tais situações. Dá só uma olhada!

Lingerie sexy não é Viagra - se a sua vida sexual está em banho-maria, pode ter certeza que por mais sexy que a lingerie seja, o que ela pode até ajudar o seu parceiro a perceber que você está se esforçando para seduzi-lo. No entanto, não é uma peça de roupa íntima que irá salvar seu relacionamento ou aumentar a sua libido.

Prazer marcado na agenda - Ok, reservar um dia ou outro para dar mais atenção ao parceiro é uma coisa. Mas não dá para marcar horário para a transa. Tenha sempre em mente que sexo é desejo e não planejamento. Por isso, se você está querendo esquentar o clima, opte por táticas mais discretas. Ao invés de avisar que marcou uma viagem, por exemplo, passe no final do expediente para pegar o gato e fale que preparou uma ‘coisa especial’ para ele, vende-o e leve-o para o Motel. Aposto que ele vai adorar a surpresa!

Esgote o tempo regulamentar - Pesquisas afirmam que as mulheres levem em média 20 minutos para atingirem o orgasmo, contando com o ato sexual com constantes estimulações do clitóris. Antes de deixar o parceiro preocupado com o tempo do ato, saiba que esse número, apesar de ser apontado em estudos científicos, é só um mito. O tempo para a mulher chegar ao clímax pode variar de 1 a 40 minutos, dependendo de caso para caso. Sem falar que definir um tempo, seja ele mínimo ou máximo, desmotiva qualquer casal.

Detetives do sexo - Para as mulheres que acreditam que os homens possuem um radar que os avisa quando você está fingindo o orgasmo, pode respirar aliviada. Quando a mulher está para chegar lá não existe contração vaginal, coração disparado ou veia saltada que garanta que o gozo aconteceu de fato.

Para atiçar a brasa - Os homens são extremamentes instintivos e adoram ser provocados. Para aumentar a libido do gato vale usar vendas nos olhos, usar óleos de massagem corporal, balas de menta ou pedrinhas de gelo para apimentar o sexo oral. O que importa não é a escolha, mas que o tempo de duração do sexo será prolongado e, consequentemente, o prazer.

ESTUPOR


'esse súbito não ter
esse estúpido querer
que me leva a duvidar
quando eu devia crer

esse sentir-se cair
quando não existe lugar
onde se possa ir

esse pegar ou largar
essa poesia vulgar
que não me deixa mentir'

 Leminski.

DIA MUNDIAL DA ÁGUA


Declarado pela ONU, o Dia Mundial da Água 2013, celebrado hoje, também tem como tema a Cooperação Internacional pela Água. Trata-se de tema inédito que ressalta a importância social da água. Alinhada a essa temática, a Fundação Banco do Brasil desenvolve ações em torno da causa Água por meio da reaplicação de tecnologias sociais em programas como o Água para Todos, o Água Brasil e o Projeto Rio São Bartolomeu Vivo.

No âmbito do Programa Água Brasil, a Fundação BB, em parceria com o Banco do Brasil, o WWF-Brasil e a Agência Nacional de Águas (ANA), fomenta práticas sustentáveis tanto nas áreas rurais quanto urbanas em todo o território nacional. No meio urbano, a iniciativa visa disseminar o consumo responsável, a coleta seletiva e a reciclagem de resíduos sólidos, bem como estimula a mudança de valores e comportamentos, incentivando o consumo responsável. No meio rural, os parceiros disseminam o uso de boas práticas agrícolas e de proteção das nascentes de água.

No Programa Água para Todos, que compõe o Plano Brasil Sem Miséria do Governo Federal, a meta da Fundação BB é construir 60 mil cisternas de placas no semiárido brasileiro até o final de 2012. A Cisterna de Placas é uma tecnologia social, certificada desde 2005 pela FBB, para armazenar até 16 mil litros de água proveniente da chuva, o que é suficiente para o consumo de uma família de cinco pessoas, em média, por um período de até oito meses.

A atuação da Fundação BB na bacia hidrográfica do Rio São Bartolomeu reúne ações em três eixos que contribuem para a preservação e recuperação da região degradada e para a promoção do desenvolvimento integrado e sustentável das populações envolvidas. O eixo Recuperação de Àreas Degradadas tem como uma de suas principais metas a produção de um milhão de mudas e a recuperação de 500 hectares de áreas degradadas ao longo do Rio Bartolomeu. Até hoje foram plantadas mais de 265 mil mudas de plantas nativas do bioma Cerrado em uma área de 172 hectares.

O segundo eixo, Reaplicação de Tecnologias Sociais, tem como objetivo reaplicar as tecnologias sociais PAIS (Produção Agroecológica Integrada e Sustentável), Barraginhas, Fossas Sépticas Biodigestoras e Balde Cheio como alternativa para constibuir com o desenvolvimento sustentável das comunidades rurais que residem e produzem no território da bacia, proporcionando segurança alimentar, geração de trabalho e renda, saneamento básico e preservação ambiental.

As ações de mobilização são essenciais para despertar nas comunidades ribeirinhas o sentimento de pertencimento e a consciência da importância da preservação do Rio São Bartolomeu.


Fonte: FBB

ROMÁRIO FALOU DE NOVO. E DISSE


O deputado Romário voltou a discursar na Câmara Federal para abordar os escândalos que cercam a CBF.
Abaixo, o discurso integral, com destaques feitos pelo blog, em negrito:
Senhor Presidente e prezados colegas parlamentares:
Não era meu propósito voltar ao assunto nesta semana, mas um novo áudio que está nas redes sociais me motivou vir a esta tribuna para insistir na necessidade urgente de darmos novo rumo à direção geral do nosso futebol profissional.
Nos meus dois últimos discursos, trouxe fartas informações sobre a suspeita gestão do presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, que também preside o Comitê Organizador da Copa do Mundo 2014.
Naqueles pronunciamentos, também insisti no vínculo político do Senhor Marin com regime militar, quando ele era filiado à ARENA, partido de sustentação da ditadura.
Já me referi ao milionário faturamento da CBF em nome da Seleção Brasileira, sem que saibamos o destino do dinheiro faturado em nome de uma instituição que explora os símbolos nacionais, como nossa Bandeira e o Hino.
As suspeitas de irregularidades não se esgotam no Senhor Marin, mas se estendem à diretoria, em especial ao vice-presidente da CBF, Marco Paulo del Nero.
Faço mais esta manifestação, avançando nos graves problemas que envolvem a CBF e, por extensão, o Comitê Organizador da Copa 2014, por dever de ofício e por obrigação política, assim como seguindo os princípios de idoneidade defendidos por meu partido, o PSB.
Começo esta manifestação citando o cronista Juca Kfouri, em seu blog.

(abre aspas)
“José Maria Marin tem sua vida ligada àqueles que sustentaram a ditadura brasileira. Fez discursos publicamente em favor do assassino, sequestrador e torturador Sérgio Fleury. Apoiou os movimentos que levaram a tortura, morte e desaparecimento de centenas de brasileiros. O caso mais notório é do jornalista Vladimir Herzog.” (fecha aspas)
E conclui o jornalista Kfouri, numa manifestação que, com licença, assino embaixo:
(Abre aspas)
“Ora, se a Justiça não consegue processar estas pessoas, como Marin, por conta de uma lei de Anistia torta, não podemos permitir que Marin viva a glória de estar à frente do maior evento mundial da nossa história – a Copa do Mundo”.

No início deste discurso, disse que vinha à esta tribuna motivado pelas revelações de um novo áudio, que circula nas redes sociais.
O áudio ao qual me refiro é de nova gravação atribuída ao Senhor Marin, enviando mensagem a interlocutores.
Surpreendente, caros colegas parlamentares, mas num linguajar típico de gangsters, ele ameaça dois empresários.
E determina que nunca mencionem o nome dele, José Maria Marin, em negócios que parecem muito suspeitos diante do sigilo que exige de todos.
Os dois empresários em questão são, segundo a gravação, os irmãos Balsimelli, donos da BWA, empresa que, também segundo o mesmo áudio, controlam negócios na maioria dos estádios brasileiros.
A eles, os irmãos Balsimelli, José Maria Marin determina – ou implora – para que seu nome nunca seja citado, sob pena de estarem expondo o esquema no qual todos estão envolvidos, entre eles, claro, o próprio Marin e, por extensão, seu vice-presidente, Marco Polo del Nero.
Nesse áudio ao qual me refiro, José Maria Marin também faz clara citação do envolvimento de Marco Paulo del Nero, seu vice-presidente na CBF.
Ou seja, coloca no mesmo saco – com, perdão da expressão – o seu substituto imediato na Confederação Brasileira de Futebol.
Observe bem, Senhor Presidente e caros parlamentares:
Estamos em plena campanha para renovação que se inclua moralidade e credibilidade na diretoria da entidade maior do nosso futebol e, no entanto, o nome que legalmente substitui o presidente, no caso o senhor Del Nero, também é suspeito de envolvimento em falcatruas e negócios nebulosos, que vêm de longa data.
Na verdade, caros Colegas deputados, essa revelação não chega a ser novidade, mas reforça as suspeitas de negociatas nos bastidores do nosso futebol.
Os Senhores devem estar lembrados que em 26 de novembro do ano passado, o senhor Marco Polo del Nero, esse mesmo, presidente da Federação Paulista e vice-presidente da CBF, foi preso pela Polícia Federal.
Na mesma operação, os policiais apreenderam documentos, arquivos e computadores de Del Nero para investigar denúncias de venda de informações sigilosas e prática de crimes contra o sistema financeiro.
Seria oportuno que a Justiça revelasse o teor das investigações que levaram à detenção não um larápio de rua, mas a segunda autoridade na hierarquia do nosso futebol.
Imaginem a vergonha que estamos expostos mundo afora!
Diante desses fatos, observem quem dirige este riquíssimo patrimônio esportivo, o qual tive a honra de representar.
Agora, o mais grave, Senhor Presidente e Senhores Deputados.
O áudio que está na rede e é atribuído ao Senhor José Maria Marin inclui, além dos irmãos Balsimelli, nome de parlamentar desta Casa.
Marin afirma que com tal parlamentar, apoiado por Del Nero, (abre aspas) “estão dominando o Congresso. Eles estão fazendo a lei!” (fecha aspas)
O que significa essa afirmação?
Que “lei” é essa?
A “lei” geral da Copa que atende a interesses promíscuos do Comitê Organizador da Copa, do qual Marin também é presidente?
Ou é uma nova lei que está sendo preparada em surdina nos bastidores da Casa?
Devemos conviver com essas dúvidas ou investigar?
Precisamos saber, Senhor Presidente, se nossas ações estão sendo manipuladas por quadrilhas externas com influência no Legislativo.
Custo crer nesta manifestação envolvendo o Parlamento, pois vem de quem não tem credibilidade pública nem idoneidade para tal acusação, no caso o Senhor Marin.
Mas trata-se de uma citação que nos coloca em alerta e sugere reação imediata.
Por isso estou aqui!

Observem a ousadia ameaçadora desses senhores.
Eles não têm pudor em afirmar que por suas ações dominam esta Casa Legislativa!

Marin fala com seu interlocutor de tal forma autoritário que nos coloca de joelhos diante da corja que ele lidera e, lamentavelmente, controla o nosso futebol.
E que reação tomar diante dessa ameaça que agride frontalmente a principal instituição da democracia brasileira, que é o nosso Congresso Nacional?
Observe bem, Senhor Presidente:
Vinte e cinco anos depois de sancionada a nova Constituição Federal, símbolo maior da redemocratização brasileira, um sujeito que foi servil à ditadura, continua se manifestando como nos tempos em que esta Casa foi fechada pelo regime militar.
Marin continua menosprezando o Congresso Nacional, pois diz claramente que há um “domínio” sobre esta Casa que juramos respeitar.
Hà poucos dias, o Senhor Marin tentou, numa manifestação desastrada na página principal da CBF, na internet, limpar sua imagem desvinculando-a da intimidade que teve com o regime militar.
Não conseguiu.

Agora, com este áudio em que afronta o Legislativo, ele reforça aquela submissão e demonstra continuar se comportando como no seu tempo de político biônico, volta aos idos da ditadura militar, ignorando o regime democrático que felizmente convivemos.
E o que fazer diante dessa agressão antipatriótica vindo de quem tem liderança sobre o nosso maior patrimônio esportivo, a Seleção Brasileira?
Apelo à Mesa da Câmara dos Deputados para que fique atenta a esses fatos. Diante do poder desta instituição democrática não podemos ficar passivos às ameaças.
Sem reação imediata, estaremos concordando com a quadrilha e desmoralizando por vez os nossos mandatos e a instituição que nos orgulhamos pertencer.
Não podemos nos acovardar!!!

Bem sei, Senhor Presidente, que não compete ao governo federal intervir na Confederação Brasileira de Futebol, uma instituição privada, apesar de beneficiada por isenções fiscais.
Mas é com esse presidente que aí está que a Presidenta Dilma Roussef se relacionará por ocasião da Copa das Confederações e Copa do Mundo.
Interessa ao Brasil passar essa imagem de relações institucionais promíscuas entre o Poder Executivo e uma quadrilha de negociatas que diz dominar o Congresso?
Assim, diante desse panorama só resta apelar para que a poderosa Federação Internacional de Futebol intervenha no Comitê Organizador da Copa 2014.
Estamos lidando com pessoas que estão explorando a imagem institucional do país através de uma das mais preciosas marcas do país, que é o nosso futebol.
Por isso, Senhor Presidente, precisamos reagir logo.
Quem sabe o Ministério Público e a Polícia Federal comecem a investigar os áudios disponíveis, suas origens e pessoas envolvidas.
Senhor Presidente:
Este panorama que acabo de narrar expõe uma parte dos bastidores suspeitos da gestão do nosso futebol.
Até aqui, eu abordava sobre os patrocínios recebidos pela CBF em nome da Seleção Brasileira.
Até aqui, eu vinculava o presidente da CBF, José Maria Marin, como o substituto de outro nome suspeito de nosso futebol, Ricardo Teixeira, envolvido em denúncias de evasões de divisas, de sonegação fiscal, enfim.
Mas agora, temos uma suspeita maior, capaz de vincular o senhor Marin à intimidade da Câmara dos Deputados a ponto de afirmar que há um domínio até na execução de leis.
O que mais nos falta, Senhor Presidente, para que a CPI da CBF que protocolei no final do ano passado seja aprovada por Vossa Excelência?
Os fatos estão aí, fartos como demonstrei, que sugerem a instauração imediata da CPI, a fim de que tenhamos clareza, transparência nas ações da instituição maior do nosso futebol e, PRINCIPALMENTE, até que ponto a Câmara dos Deputados está sendo manipulada por essa quadrilha.
Esses fatos ganharam o noticiário internacional e, claro, repercutiram no Palácio do Planalto, a ponto de, numa medida oportuna, afastarem a Presidenta Dilma de possíveis encontros com o Senhor Marin ou quem quer que seja da CBF e do Comitê Organizador da Copa.
Hoje mesmo, o jornal “Valor Econômico”, traz nova versão sobre essas relações.
Reportagem de Caio Junqueira, afirma que (abre aspas)
“Existe uma ampla movimentação que envolve integrantes da própria CBF e da FIFA e com respaldo do governo brasileiro caminha para fazer com que o presidente da entidade, José Maria Marin deixe o cargo antes do previsto e não seja seu dirigente durante a Copa” (fecha aspas)
Diz mais o repórter:
(Abre aspas)
“O presidente da FIFA , Joseph Blatter, e o secretário geral, Jeròme Valcke, puxaram a discussão com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo” – em sua recente reunião em Zurique.
“O sinal foi claro: estão desconfortáveis com sucessivos constrangimentos de Marin na presidência da CBF e do seu papel na organização da Copa”.

Observe, Senhor Presidente, que as denúncias de falcatruas e envolvimentos suspeitos da dupla Marin e Del Nero, já incomodam as autoridades da maior entidade do futebol mundial, a FIFA.
Ou seja, se aqui no Brasil o Palácio do Planalto e o próprio ministro do Esporte, Aldo Rebelo, fecham as portas e o diálogo com o Comitê Organizador da Copa, como Marin e Del Nero podem se sustentar em seus cargos se o evento de 2014 está sendo realizado em parceria com o Governo brasileiro?
Não há mais dúvidas de que o Senhor Marin e seu vice Del Nero já causam instabilidades nos organismos maiores e parceiros dessa empreitada, no caso o governo da Presidenta Dilma e a poderosa FIFA.
Portanto, esta Casa precisa se posicionar, pois de muito conhece sobre essas irregularidades, pois meus discursos são sucessivos demonstrando os riscos aos quais a estrutura do futebol e, por extensão, o Governo Federal estão expostos ao se aliarem a gestores tão nefastos para o nosso esporte.
Era o que tinha a dizer e apelar, mais uma vez, à oportunidade de instalação imediata da CPI da CBF.
 Fonte:Blog do Juca

Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...