terça-feira, dezembro 01, 2015

POESIA É ALÍVIO

Foto: Nilson Vieira

 Não posso desistir da poesia
Nem mesmo se um balde de água fria
Me fizer a alma doer
Nem mesmo me fazendo a vida sofrer
Desistirei da arte que me alivia
Essa coisa de poesia é para mim
O meu viver
É nela que me desloco, que fujo da realidade
E ajusto o meu foco, para livre Voltar a ser

Giano Guimarães

JANELA SOBRE UMA MULHER...

“Essa mulher é uma casa secreta.
Em seus cantos, guarda vozes e esconde fantasmas.
Nas noites de inverno, jorra fumaça.
Quem entra nela, dizem, não sai nunca mais. 
Eu atravesso o fosso profundo que a rodeia. 
Nessa casa serei habitado.
Nela me espera o vinho que me beberá. 
Muito suavemente bato na porta, e espero.” 

Eduardo Galeano

Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...