segunda-feira, dezembro 21, 2015

POEMA


   As palavras arfando entre virilhas


  entre lábios


                     cópulas de consoantes e vogais.


                                                     Saboreadas palavras

            defloradas palavras

                                   túmidas palavras
                                                 
                                                               ávidas

                                                                   oh! palavras

                                 arfando umidamente entre pentelhos. 

                                 Suor.  Calor.  Odor.  Linguagem.  Gozo.

Paes Loureiro


TRACEJO DE POESIA

Foto: Emi Okada
Em cada esquina que passo há um pouco de saudade misturada com novidade. Há ao longe, uma música que relembro. Ela sintoniza minha emoção surgindo  como nostalgia em meio a esse emaranhado de descobertas. Cá no peito, a poesia adormecida se agasalha num silêncio infindo,  em cada novo  instante que se passa. No olhar, a  inspiração de simplicidade me remete a uma indefinível paisagem. Antônimos, sinônimos vão surgindo em meus pensamentos , num eclodir de rascunhos poéticos, dando vida ao verso inacabado. A  rima alegre se contrasta  na estrofe, enquanto o poema  inquieto busca a alegria. Tudo é poesia nessa inquietação de quimeras e metáforas.


Socorro Carvalho

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...