terça-feira, fevereiro 15, 2011

ENCANTOS DA NOSSA TERRA


No céu, ela se anuncia sobre Santarém
Foto de: Celivaldo Carneiro
Jornalista e fotógrafo profissional

"Gosto muito de enxergar o momento da foto e diga-se de passagem, que fotografia maravilhosa. Olha só a textura e a profundidade das nuvens… Que que isso. Parabéns!!! E pelo tom amarelado e a direção que estão as sombras, podemos até mesmo perceber (de forma imaginária) o por do sol, à esquerda da fotografia.



Dado o pouco movimento na rua (em trânsito apenas uma motocicleta e dois carros, além de meia dúzia de pessoas) arriscaria dizer que foi uma tomada realizada no crepúsculo de sábado, será que faz sentido minha interpretação?


Completando o cenário, a torre da igreja ao fundo…


F A N T Á S T I C A pelo momento da foto e pela percepção do fotógrafo!!!


Se fosse dar um nome à essa foto, seria: “Nostalgia”, dada a grande tranqüilidade do momento. As pesadas nuvens por sua vez, não trazem o medo de um grande temporal, mas nos permite enxergar de forma fascinante, o poderio do céu em relação à obra humana…


Parabéns mais uma vez"! (Júnior Chaves.)




*** Os encantos da nossa terra estão não somente nas paisagens que deslubram nosso olhar mas estão na  sensibilidade de grandes talentos que enobrecem Santarém, aqui o encanto da nossa terra está expresso na fotografia feita pelo jornalista e fotógrafo profissional Celivaldo Carneiro. A foto foi postada no blog do Jeso Carneiro (irmão de Celivaldo) no quadro OLHAR DO LEITOR e emprestei para postar aqui. O texto foi um dos comentários deixados por um leitor do blog do Jeso, gostei do que ele disse e também emprestei para partilhar com vocês.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...