sábado, março 26, 2011

ARREBATAMENTO

Pode despejar em mim
teus medos, frustrações, agonias,
teus fantasmas, insatisfações, rebeldias.
Deixo que me faças de cavalo, muleta,
estepe, tábua de salvação.
Depois vomito, escarro, escarno,
rasgo a ferida para derramar o pus.
Exponho – me entre canibais..
Só assim me deixo livre,
para ser quem sou,
para ser mulher liberta, e
largar ao vento o fundamento de amar.


Lumar (23/03/11)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...