quinta-feira, setembro 08, 2011

CAMINHOS DO ESQUECIMENTO


Tenho temor das cousas mais distantes
e das cousas mais próximas de ti;
hoje, amanhã e todos os instantes,
o céu, o chão, o sol, a flor, o aqui.

Perecem os teus gestos e semblantes
entre os que perderei e o que perdi;
não aprendo teus olhos viajantes,
e é mel de fel que neles vejo e vi.

És tempo e todas: não serás nenhuma
nas minhas mãos que vazam; sou um lado  
apenas da tua hora de ouro e espuma:

sorrires ou ficares ou não seres,
dares-me aquele goivo ou teu reinado
são futuros sem fim de me esqueceres.


Abgar Renault (1901 - 1995)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...