quarta-feira, novembro 30, 2011

FILOSOFICAMENTE


Seu ceticismo dizia: não.
Seu hedonismo: com prazer.
Estava armada a confusão.
E agora, o que fazer?

A quem recorrer?
Epicuro? Sartre? Zenão? Aristóteles...
Como saber?
Talvez Aquino. Quiçá... Sócrates...

Tanta filosofia...
Tudo o que queria
Era a alma intrínseca
Sem pensar em Sêneca.

Sem mentira, na verdade,
Sem nenhuma antítese
Apenas a integridade
De sua própria tese.

Formulou hipóteses
Dogmas penetrou
Enfrentou as crises
E muito encontrou.


E esse muito se foi fazendo pouco... pouco...pouco...

Lilian Russo



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...