sexta-feira, novembro 18, 2011

QUIMERAS DO SENTIR


Na penumbra do olhar
Descansa arredios sentimentos  sonolentos
Frágil mulher
Mede  forças contra a tempestade,
Num oásis
Desce a fonte de  água vertente
Jorrando pequenas gotas
Molhando as margens suprimidas (
Fazendo brotar a semente
Já quase esquecida (escondida)
Suprimida pelo pântano ( da ignorância)
Enquanto o sol
Permanece tímido em meio as nuvens.
E a lua , de longe, observa o trajeto
Do seu bem amado...
Entre as quimeras da saudade.

Socorro Carvalho


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...