sexta-feira, maio 04, 2012

MINHA TARDE DE QUINTA FEIRA...


Fim de tarde, tudo prometia ser um final de tarde comum.
O fim do expediente de trabalho, a ida para a Universidade.
O trajeto da emissora até a ponto de ônibus e a bendita espera por um coletivo
que demora tempo para passar.
A espera.
Olhar atento .
Pessoas que vem e que vão.
Roupas estranhas, outras não.
Mulheres, homens, crianças, jovens, anciãos...
Enquanto isso, na minha espera, apenas observo.
De repente, lá vem aquela mulher.
De estatura baixa, vestindo roupa suja  e rasgada.
Ela traz  nas mãos sacos,  cheios de lixo.
A minha frente, uma lixeira.
De repente, para minha surpresa.
A mulher larga os sacos no chão e se dirige até a lixeira, diante de mim.
O lixo arrumadinho em sacos, logo é espalhado, enquanto ela continua  buscando, procurando.
Mexe daqui, remexe dali e  de debaixo do lixo,
 ela arranca um saco branco com  algo dentro e bem amarrado.
Atenta, continuo observando.
Para minha surpresa, ela rasga o saco e de dentro retira um marmitex...
E  quando percebe as sobras de comidas, deixa tudo de lado, agarra com garra a marmita e começa a comer a comida.A fome parecia grande e em cada mordida parecia ser aquilo o melhor prato do mundo.
Que cena estarrecedora, aos meus olhos, naquele final de tarde.
De repente, minha saudade, minha preocupação com meu problemas se tornaram pequenos diante daquele fato  tão estranho.
Porém, tão comum em muitas realidades.
Continuei a observar.
 Pessoas passando de cá, pra lá, pra cá e nenhuma delas demonstrara tamanho susto feito eu.
E tive até a  impressão que aquela  cena era muito comum.
Enquanto a mulher  se degustava com os restos de comida  retirados do lixo, eu apenas refletia.
Em minha mente muitas indagações.
 Como se chamava aquela mulher?  Maria? Antonia? Josefá?
Tem família? Não tem? De onde ela é? De onde veio?Não sei.
Só sei que ela continua por ai, pelas ruas perambulando, juntando lixo para comer.
Enquanto muitas vezes nos  esquecemos  de agradecer  pelo  alimento digno
que todos os dias está sobre a nossa mesa.
Puxa, vida!
Então pensei...
Quanta injustiça ainda está inserida em nossa sociedade, quanta fome ainda existe apesar de todas as nossas riquezas.
Seria só um fim de tarde comum...
se não tivesse ocorrido aquela cena brusca de miséria, tão perto de mim.
Muitas vezes reclamamos de  tudo, enquanto muitos e muitas não têm nada.

Socorro  Carvalho 

2 comentários:

  1. Nossa amiga, acabei de ler o seu texto de final de tarde
    estou sem palavras aqui .. estava até saboreando um picolé, que ficou entalado e sem gosto em minha boca, por perceber quão injustos somos ..infelismente
    muitas vezes(maioria) essas cenas são "comuns"
    e nós é quem fechamos os olhos para esta triste realidade.

    ResponderExcluir
  2. Mirika Bemergui7:33 PM

    É muito deprimente mesmo, nos depararmos com situações deste tipo, visto que, todos nós temos direito a uma vida digna!!! Isso pra mim é terrível.

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...