sexta-feira, novembro 16, 2012

MEU OLHAR: NÓS INDÍGENAS E VOCÊS - POR NITA TUXÁ

Nita Tuxá - Pscicóloga

 
Caro Alfredo,
Quero parabeniza-lo pela brilhante escrita e pela reflexãocritica que provocou diferente opiniões, levando as pessoas a refletirem… 

 Eu me chamo Ediliaise, ou melhor Nita Tuxá. Sou indígena da etnia Tuxá de Rodelas/Ba e gostaria muito de contribuir com essa discussão apresentando o meu Olhar: Nós indígenas e vocês.  
 
 Vou começar partindo do pensamento do grande Paulo Freire que nos diz: “Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes”. É assim que gostaria quefosse compreendida a cultura indígena e a não-indígena em seu processorelacional. Eu costumo dizer que nós indígenas estamos navegando por rios e territórios  desconhecidos na luta pela sustentabilidade das nossas comunidades e da nossa
cultura. Diariamente travamos batalhas com o “mundo do não-índio” e precisamente com o nosso universo. 

Eu cresci em uma comunidade projetada pela Companhia hidroelétrica do São Francisco (CHESF), pois em nome do “progresso” a aldeia dos meus, foi inundada para levar energia ao Nordeste. Nesse novo ambiente, alimentei a minha identidade étnica com as histórias dos meus pais, avós e lideres comunitário, por vezes, imaginava como devia ser prazeroso viver em um ambiente aonde havia  sinergia e respeito.

Por outro lado, não posso ser incongruente alegando que o nosso novo “habitat” não nos trouxe benefícios, afinal, temos uma estrutura com saneamento, casas de concreto, água encanada, posto de saúde, entre outros ganhos. Todavia, compreendo que assim como a história de tantos outros parentes (indígenas) o meu povo sofreu imposições. Nós sabemos amigos, que tudo começou no período colonial com a catequese “civilizatória”, em um jogo religioso e político que fizeram dos meus ancestrais sujeitos humilhados por terem crenças, costumes e traços físicos tão peculiares. Desde então, meus caros, não fomos os mesmos, pois o etnocentrismo que nos apresentaram nos causou crise de identidade.

Sim, nós indígenas temos crises de identidade e posso falar por mim como jovem, sabe o que é ter que viver, ou melhor, sobreviver como se o seu existir fosse uma ameaça, um afronto, uma aberração. Notem que me apresentei com dois nomes, um nome “civil” e um nome indígena, porque já não se registra nomes indígenas como outrora e também porque não é viável me apresentar profissionalmente como Nita Tuxá, pois as pessoas me fariam coagir com expressões faciais de estranheza, e poucos gostam do “estranho” (isso já me ocorreu várias vezes).  Sou formada em Psicologia, para estudar tive que sair da minha comunidade e me inserir em um lugar mais desenvolvido e experimentar o universo acadêmico. 

Durante esse período observei que não importa como nós indígenas venhamos a nos comportar, pois seremos sempre discriminados, se somos “atrasados” deveríamos voltar pra mata e não tomar lugar de quem realmente merece estudar ( criticam as cotas), se somos “instruídos” deixamos de ser indígenas, afinal somos inteligentes e vestimos roupas. Pensem, no quanto é difícil existir enquanto
indígena; é como se tivéssemos que corresponder às expectativas do Outro, justo daquele Outro que se quer nos ver, apenas nos leu nos livros e criou o seu Imaginário.

 O Sartre tem um pensamento que carrego comigo: “Não importa o que fizeram demim, o que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim”.  Eu tenho orgulho ao dizer que nós indígenas saímos dos livros, estamos nas cidades, nas universidades, na mídia pra dizer que existimos e que ao contrario do que muitos pensam, nós somos brasileiros e indivíduos de desejos e direitos. 

Talvez, em uma analogia, poderíamos enxergar nós indígenas como uma adolescente que se rebela por ter dores existências, pois foi cruelmente violentado fisicamente e psicologicamente na sua infância. Hoje, anseia se tornar um adulto com autonomia, sem tutela, quer gerir e fazer as suas próprias escolhas. E isso parece ser um grande problema, sabem por quê? Porque estamos nos “mostrando”, hoje vocês nos Vêem, talvez não como gostariam, mas já não podem negar o fato de
que existimos, persistimos e resistimos. O etnocentrismo do não-índio provocou o que temos de mais valioso: a nossa força e amor ao que somos! Lutaremos dia-a-dia para que sejamos tratados com respeito e tenhamos direito a Viver…   Por fim, “que a terra seja o índio e o que índio tenha terra”!
 Luz e paz de Tupã!!!

Nita Tuxá
Edilaise Santos Vieira ( Nita Tuxá)
 Psicóloga Clinica no NOPP ( Núcleo de Orientação Profissional e Psicoterapias)
 CRP 20/03933

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...