segunda-feira, março 11, 2013

A CADA HORA, DEZ MULHERES SOFREM MAUS TRATOS


Dados também indicam uma mulher assassinada a cada duas horas; Brasil é o 7º país com a maior taxa de homicídio de mulheres


Cinthia teve um dedo quebrado
e o pé trincado por estar beijando
uma mulher - Foto: Arquivo Pessoal
Cinthia Oliveira Abreu teve um dedo da mão esquerda quebrado e trincou o pé direito depois de apanhar, e muito, de homens que a viram beijando uma mulher. A agressão aconteceu na região do Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo (SP). Três rapazes fizeram uma roda em volta dela e da companheira. “Um se aproximou e deu um murro na minha cara e eu cai. Nisso, outros dois ficaram me batendo”, conta.


Passado quase dois anos, ela ainda não se recuperou psicologicamente do ocorrido. Hoje evita expressar sua sexualidade em áreas públicas. “Eu fico sempre atenta”, diz.

Cinthia foi vítima do que o movimento feminista chama de lesbofobia, a aversão a mulheres lésbicas. No entanto, tomado de forma mais ampla, a violência que ela e a companheira sofreram é mais uma expressão do machismo presente na sociedade.

Os dados brasileiros são assustadores. O Brasil é o 7º país com a maior taxa de homicídio de mulheres, segundo o Mapa da Violência 2012 – Homicídio de Mulheres. São 4,4 assassinadas para um grupo de 100 mil. O mesmo mapa mostra que a cada cinco minutos, uma mulher é agredida. E a cada duas horas, uma é morta vítima de violência.

Já a Central de Atendimento à Mulher, que disponibiliza o número de telefone 180 para denúncias, contabilizou de janeiro a dezembro de 2012, 732.468 registros, sendo 88.685 relatos de violência. Por esses dados, a cada hora, dez mulheres sofrem de maus tratos. A maior parte é vítima de violência física (56%), seguida de psicológica (28%), moral (12%) e sexual (2%). Em 70% dos casos, o agressor é o conjugue da vítima. Se considerados ex-marido, namorado e ex-namorado, o número chega a 89%.

Segundo Maria Fernanda Marcelino, integrante da Sempreviva Organização Feminista (SOF), entidade que faz parte da Secretaria Executiva da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), cerca de 2% dos homens agressores de mulheres são condenados. “É uma banalização da violência contra o gênero feminino”, afirma.

                                                 
                                                 
Ela ressalta que, em grande parte dos casos, a vítima é responsabilizada pela violência sofrida. “Há um julgamento moral. Não pode caminhar à noite tranquilamente porque se acontecer uma violência, nós certamente seremos responsabilizadas de termos saído desacompanhadas, por exemplo”, demonstra.

Casos de violência que ganharam notoriedade na mídia, como o assassinato de Eliza Silva Samudio, mãe do filho do ex-goleiro Bruno, também estão carregados de juízo moral. Eliza por vezes é citada como a amante e atriz pornográfica. “Houve notoriedade diante da opinião pública, mas o verdadeiro debate das origens da violência não foi feito”, aponta Maria Fernanda.

O movimento feminista também registra denúncias de mulheres que afirmam que a violência causada por namorados e maridos ainda é tratada como problema privado nas delegacias do país.

Lesbofobia

A aversão a mulheres que se relacionam com outras mulheres, além de ser mais uma variante da violência contra a mulher, ascende o debate sobre a necessidade de aprovação do projeto de lei 122, que criminaliza práticas homofóbicas.

“A gente sofre por ser mulher e por ser lésbica, porque é vinculado justamente a ideia de controle da nossa autonomia”, afirma Cinthia. Ela defende a aprovação do PL 122 como saída para escapar dos “discursos raiovosos”, estimulados principalmente por religiosos, segundo ela.

“Se a gente não vivesse numa sociedade extremamente machista, a gente não precisaria de uma lei”, chama a atenção a integrante da Sempreviva Organização Feminista (SOF), Maria Fernanda Marcelino. “Ainda prevalece a idéia de que a sexualidade das mulheres está a serviço dos homens”, complementa a militante, destacando o temido “estupro corretivo” praticado por homens que acreditam que precisam “introduzir” as lésbicas no mundo das relações heterossexuais para que elas mudem a sexualidade.

Colaborou Ana Carolina dos Santos Lebre





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...