quarta-feira, julho 03, 2013

[NELSON MANDELA] LEGENDÁRIO LÍDER SUL-AFRICANO É GRANDE AMIGO DE CUBA E DE FIDEL CASTRO

Todos os homens morrerão; porém, o exemplo de Mandela não morrerá

Entre as poucas coisas positivas que a colonização britânica deixou na África do Sul é que o menino nascido como Rolihlahla Dalibhunga Mandela foi renomeado Nelson por obra e graça de uma mestra inglesa. Havia sido muito difícil pronunciar seu nome e sobrenome familia original da etnia xhoza.

O garoto estudava em tempo integral e foi um dos primeiros advogados negros quando a África do Sul racista não permitia esses luxos, logo reforçado pelo "legal” apartheid imposto pelas autoridades racistas do Partido Nacional.

Inclusive, quando foi preso, onde esteve durante tantos anos, continuou estudando leis à distância, mesmo quando seu discurso já não consistia em códigos legais, mas no apoio à luta do Congresso Nacional Africano (ANC, em inglês) e seu braço armado, Umkhonto we Sizwe (Lança da Nação).

Na época, ele purgava uma condenação a prisão perpétua, em Robben Island; era o preso número 466/64 que olhava o horizonte, quando o permitiam, nessa prisão mar adentro, a 11 quilômetros da Cidade do Cabo.

Hoje, tem 94 anos e cumprirá 95 (caso resista), no próximo 18 de julho. Desde o dia 8 de junho está internado devido a graves complicações pulmonares e renais. O presidente Jacob Zuma, que suspendeu uma viagem a Moçambique para estar próximo ao enfermo, declarou que a situação é sumamente complicada. Mandela está morrendo e essa circunstância volta a acusar ao ditatorial apartheid contra o qual lutou por toda a sua vida, visto que as enfermidades pulmonares que o atingiram vêm desde seus tempos de preso e nunca foram devidamente atendidas.

O histórico personagem pode morrer a qualquer momento. Será uma grande pena. Por isso, há ainda mais motivos para ressaltar alguns traços daquele que, através de seu exemplo, vai perdurar.

A história completa

Após a libertação de Mandela, em fevereiro de 1990, e com os avanços do ANC rumo ao poder, ganhando as eleições para uma Assembleia Nacional Constituinte, em 1993, e, em seguida, a presidência do país (1994-1999), sua figura subiu para o topo das preferências dos povos.

Nessas condições, até seus inimigos mais pérfidos chegavam a ele para partilhar de suas conquistas, como o último presidente racista , Frederik de Klerk, nominado junto ao ex-preso para receber, em 1993, o Prêmio Nobel da Paz.


Curiosa academia que, quando deve premiar a um revolucionário ou anti-imperialista, o faz colocando ao seu lado um inapresentável. Da mesma maneira aconteceu em 1973 com o presidente vietnamita Le Duc Tho, quando levou consigo o criminoso Henry Kissinger e, anos mais tarde, com Yasser Arafat, distinguido juntamente com Simon Peres e Yitzhak Rabin.

A verdade é que na luta mais dura do ANC e com seus dirigentes presos, em seguida condenados no processo de Rivonia, que acabou levando-os à prisão de Robben Island, a solidariedade com aqueles vinha de Cuba, da URSS, da China e dos países socialistas, dos partidos comunistas e movimentos de libertação do Terceiro Mundo, como o MPLA, de Angola; o Frelimo, de Moçambique; as organizações da Namíbia etc. Do Primeiro e do Segundo Mundo, pouco ou nada... Em 1980, quando o preso número 466/64 levava dezessete anos atrás das grades, a ONU pediu sua libertação.

A paz e a guerrilha

Mandela sempre foi um político popular, advogado, de discurso atraente e grande sorriso: um político de massas. A isso somava-se um dado fundamental: esteve preso durante 27 anos sem abdicar de seus princípios e que chegou a ser presidente de seu país; então, é fácil elogiá-lo.

Está bem que seja assim, mas com uma condição: teria que falar de toda a sua vida, não apenas de um momento. Pode-se destacas aspectos de um determinado tempo; porém, sem perder de vista a biografia geral. Por que esse esclarecimento?

É, agora, que certas agência internacionais e meios argentinos pintam ao líder como uma espécie de leão herbívoro, um pacifista, que sempre deu a outra face. O condutor do noticiário do Canal 12, de Córdoba (grupo Clarín), Gustavo Tobi, disse que Mandela havia sido sempre um pacifista, que colocava em prática as mesmas táticas de Gandhi.

Essa é uma versão amputada e falsa. Mandela incorpora-se ao ANC nos anos 50 e nesse momento propunha uma resistência pacífica ante um desproporcionado Estado inimigo armado até os dentes e que gozava de proteção internacional pelo Reino Unido (era membro do Commonwealth) e Estados Unidos. A Carta da Liberdade (1955) propunha os reclamos da maioria negra oprimida brutalmente pela minoria branca, que representava apenas 14% da população.

Porém, essa ilusão de abrandar ao regime, "à maneira de Gandhi” durou até 1960. As contínuas matanças, como a de Shaperville, empurraram à organização negra (com a participação de alguns brancos, porque, já naquela época, Mandela tinha um ponto de vista multirracial) à resistência armada. Formou-se a Umkhonto we Sizwe (Lança da Nação), conhecido com a sigla MK.

Os princípios

Como e quando Madiba (como é conhecido em seu país) e seus companheiros se lançaram à luta de guerrilhas, foi contado por ele mesmo em seu discurso em Cuba, na Província de Matanzas, no dia 26 de julho de 1991, quando fez a sua primeira e comovedora visita.

"Sabe-se que a resposta do Estado às nossas legítimas demandas democráticas foi, entre outras, a de acusar nossos dirigentes de traição e realizar, no início dos anos 60, massacres indiscriminados. Esses fatos e a proscrição de nossa organização nos deixou sem outro caminho, a não ser o de fazer o que qualquer outro povo que tenha respeito próprio faria –incluído o povo cubano-; ou seja, levantar-nos em armas para reconquistar nosso país das mãos dos racistas”, disse Mandela em meio aos aplausos de Fidel Castro e de milhares de cubanos nesse ato pelo 38º Aniversário de Moncada.

Como tantos outros revolucionários, o sul-africano não era um apaixonado pela violência, mas recorreu a ela e a justificou quando as elites genocidas não lhje deixaram outra opção. Enquanto estava preso, um regime já decadente lhe ofereceu a liberdade em troca de renunciar à luta armada e admitir como legais os "bantustanes”, ou zonas para negros, que, sob a desculpa da "autonomia”, eram uma forma de marginalizar aos negros. Naquele momento, Mandela tirou patente de herói internacional. Negou-se a aceitar essas indignas condições. Recém saiu da prisão, em fevereiro de 1990, sem capitulações.

Grande amigo de Cuba

Outro aspecto que as agências de notícias dependentes do Departamento de Estado ocultam ou tergiversam sobre o personagem é sua profunda amizade com Cuba e com Fidel Castro.

Nas biografias escritas sobre o sul-africano não está registrada a visita que ele fez à Ilha em 1991, nem a retribuição da visita do então presidente cubano à África do Sul por ocasião da toma de posse de Mandela como mandatário, em 10 de maio de 1994.

Outro exemplo da censura, omissão, esquecimento etc. –que cada um qualifique como quiser- é que na lista de prêmios internacionais obtidos, estão todos, exceto um. Consignam o Nobel da Paz, Jawaharlal Nehru ao Entendimento Internacional (Índia, 1980); Simón Bolívar, da UNESCO (1983); o da Fundação do Terceiro Mundo para os Estudos Sociais e Econômicos (Reino Unido, 1985); o da ONU no campo dos Direitos Humanos (1988); Al-Gaddafi dos Direitos Humanos (Líbia, 1989); Lenin da Paz (URSS, 1990); o da Unesco no campo da Paz (1992); Príncipe de Asturias de Cooperación Internacional (Espanha, 1992); Gandhi da Paz (Índia, 2001); e o Embaixador de Consciência da Anistia Internacional (2006).

A essa prolífica nômina, falta a Ordem José Martí, a máxima distinção de Cuba, que lhe foi outorgada em 1991 por Fidel Castro em nome de seu país.

E esse não é um detalhe menor. Em seu discurso de 26 de julho desse ano, em Matanzas, Mandela agradeceu profundamente a solidariedade e o apoio cubano de toda a vida, desde a própria da ação política, o envio à liberdade sul-africana que supôs a vitória de Cuito Cuanavale (1987), em Angola, onde as tropas cubanas e angolanas derrotaram a invasão dos militares sul-africanos, a ajuda posterior dos médicos cubanos etc.

Porém, é melhor que o próprio orador do ato mencionado se expresse:

"Sua presença e o reforço enviado para a batalha de Cuito Cuanavale têm uma importância verdadeiramente histórica. A esmagadora derrota do exército racista em Cuito Cuanavale constituiu uma vitória para toda a África! A decisiva derrota das forças agressoras do apartheid destruiu o mito da invencibilidade do opressor branco!

A derrota do exército do apartheid serviu de inspiração ao povo combatente da África do Sul! Sem a derrota infligida em Cuito Cuanavale nossas organizações não teriam sido legalizadas! A derrota do exército racista em Cuito Cuanavale possibilitou que hoje eu possa estar aqui com vocês! Cuito Cuanavale marca uma virada na luta para livrar o continente e nosso país do chicote do apartheid!”.

Quando Mandela morrer, porque todos morreremos, será chorado em todo o mundo, principalmente na África do Sul, terra natal, e também em sua admirada Cuba.


[Fonte: Original em espanhol publicado em La arena.com.ar].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

VERSOS, PARA MEU NETO...

Um dia você chegou... Trouxe consigo o melhor verso. A brisa que acaricia, O vento que embala. Seu sorriso trouxe o alvorecer.   ...