terça-feira, agosto 06, 2013

POEMA...

Tua calma inunda minha turbulência
Inflama os sentidos e transborda violência
Contida sob o manto de uma falsa paz.

Tua alma se abandona em minha selva
Deita em cacos de vidro e se derrama na relva
Me socorre.

Teus apelos, estou atenta
Teus gritos aflitos, estou alerta
Tua energia, estou desperta.
Desfaleço na tua falta e me enveredo em trilhas sem destino.
Num tênue horizonte com fronteiras rígidas.

Não me falte, não se afaste
Me traga sorte
E um sol bem forte.
Não me estrague.
Me presenteie com um passado alegre.
Porque futuro é o que passo agora.

Oro pela calma eterna
Que a alma seja terna
Que o sol nunca se apague
E que a terra cumpra sua rota cósmica
Sem turbulências, sem calor nem frio extremo
De sorte que a morte seja lenta e bela.




Raimunda Monteiro 
Jornalista, Pesquisadora, Professora Dra  - Ufopa


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...