sábado, novembro 02, 2013

MORTE E RESSURREIÇÃO: UMA REFLEXÃO PARA O DIA DE FINADOS OU DOS FIÉIS DEFUNTOS

Por enquanto, “caminhamos pela Fé, e não vemos claramente” (2 Cor 5, 7): conhecemos Deus “como que por um espelho, de maneira confusa, imperfeita” (1 Cor, 13, 12 – CIC §164).


A Fé é Luz de Deus para aquele que crê, mas quando é vivida na obscuridade, quando não se traduz em prática, muitas vezes é posta à prova. O mundo em que vivemos muitas vezes parece bem distante daquilo que a Fé proclama: a experiência do mal e do sofrimento, da injustiça e da morte parecem contradizer a Boa Nova de Jesus Cristo. As dores e frustrações da vida podem abalar a Fé e tornarem-se um grande obstáculo. Por que morremos? Como lidar com a dor da morte, da perda de um ente querido? Como entender a finitude da vida?


É interessante notar que nós, ocidentais, estamos habituados a ignorar a realidade da morte. Procuramos simplesmente não pensar nela, fingindo que ela não existe, como se nunca fosse chegar para nós ou para as pessoas que nós amamos. Diferentemente dos orientais, desenvolvemos a cultura de evitar pensar na morte; achamos melhor ocupar a mente com “coisas boas”, isto é, agradáveis, do que com “coisas ruins” como a morte. É impressionante como boa parte dos cristãos, mesmo participando na vida da Igreja, parecem não acreditar realmente na vida depois da morte. Mas afinal, será que a morte é algo que nós, cristãos, devemos temer? Existe algum jeito de não sofrer, ou sofrer menos com a morte? Faz sentido “fingir” que algo tão inevitável quanto a morte simplesmente não existe?


A resposta nua e crua para essas questões é muito simples: o tanto que sofremos com a morte depende diretamente da nossa Fé. Ou do quanto a nossa Fé se traduz em realidade, em posturas e atitudes concretas diante da vida. Aqueles que possuem uma convicção verdadeira naquilo que prometeu nosso Senhor Jesus Cristo por certo não se entregarão ao desespero com a partida de um familiar muito amado ou com a perspectiva da própria morte.


Sentir saudade é uma coisa. Experimentar dificuldades para lidar com a falta de alguém que foi muito próximo, e que agora não faz mais parte do nosso convívio, é natural, é humano e perfeitamente normal. Chorar pode ser saudável. Mas entregar-se ao desespero é uma prova de falta de Fé.


De fato, seria bem mais sensato nos prepararmos para a morte, já que ela é inevitável. E como fazer isso? Preparar-se para a morte não é pensar nela o tempo todo, nem cultivar pensamentos mórbidos: é viver segundo a Fé cristã católica, para que possamos ter tranquilidade e a segurança de que seremos mais felizes em nossa próxima vida do que jamais fomos nesta.


Segundo a Fé cristã, foi o pecado que incutiu no ser humano o medo de morrer, alterando a sua compreensão da realidade. Pecado é afastamento de Deus, nosso Sumo Bem. Quem está afastado de Deus vê a morte simplesmente como o “fim da vida", quando deveria entendê-la como a feliz passagem para a Plenitude da vida, o cumprimento de um difícil estágio. Se cremos em Cristo e somos fiéis a Ele, precisamos crer também que esta vida, neste mundo, é apenas uma “amostra”, uma sombra do que será a vida eterna em Deus.


A morte é um processo biológico inevitável, que atinge toda a Criação. Entre as consequências do pecado está o medo de morrer; para aqueles que tem uma Fé inabalável, a morte é encarada como a passagem de um mundo de sofrimentos para a plenitude definitiva da vida. Essa consciência cristã altera profundamente o sentido da vida e a maneira como se vive.


É necessário, querido cristão católico, que você recupere o verdadeiro sentido da vida, porque somente assim você poderá restituir também à morte seu verdadeiro sentido. A morte e Ressurreição de Cristo, que liberta o homem do pecado, redime a morte do seu sentido dramático de fim da vida, e volta a dar-lhe o sentido da passagem para uma vida plena e definitiva. Creia nisto, de fato!


O que acontece conosco depois da morte é o resultado da nossa escolha pessoal: somos livres para escolher Deus e o caminho da vida, ou para escolher o egoísmo e a morte. Nosso destino após a morte indica que Deus é tanto Misericordioso quanto Justo. Enquanto cristãos, não devemos temer a morte, mas sim nos prepararmos para ela, crescendo em santidade e lutando a cada dia pela vida eterna.
Jesus disse: “Eu sou a Ressurreição e a Vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês nisto?” (João 11, 25-26)


A pergunta de Jesus a Marta é hoje feita para você, que lê este artigo: Crês nisto? Crês mesmo em Jesus?

-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Em entrevista, o Poeta e Compositor santareno Renisson Luis Vasconcelos fala de sua arte e do amor que tem por Nossa Senhora da Conceição

Estamos na semana que antecede o Círio 2017 de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Santarém.  Uma semana intensa de preparativos ...