sábado, novembro 02, 2013

MORTE E RESSURREIÇÃO: UMA REFLEXÃO PARA O DIA DE FINADOS OU DOS FIÉIS DEFUNTOS

Por enquanto, “caminhamos pela Fé, e não vemos claramente” (2 Cor 5, 7): conhecemos Deus “como que por um espelho, de maneira confusa, imperfeita” (1 Cor, 13, 12 – CIC §164).


A Fé é Luz de Deus para aquele que crê, mas quando é vivida na obscuridade, quando não se traduz em prática, muitas vezes é posta à prova. O mundo em que vivemos muitas vezes parece bem distante daquilo que a Fé proclama: a experiência do mal e do sofrimento, da injustiça e da morte parecem contradizer a Boa Nova de Jesus Cristo. As dores e frustrações da vida podem abalar a Fé e tornarem-se um grande obstáculo. Por que morremos? Como lidar com a dor da morte, da perda de um ente querido? Como entender a finitude da vida?


É interessante notar que nós, ocidentais, estamos habituados a ignorar a realidade da morte. Procuramos simplesmente não pensar nela, fingindo que ela não existe, como se nunca fosse chegar para nós ou para as pessoas que nós amamos. Diferentemente dos orientais, desenvolvemos a cultura de evitar pensar na morte; achamos melhor ocupar a mente com “coisas boas”, isto é, agradáveis, do que com “coisas ruins” como a morte. É impressionante como boa parte dos cristãos, mesmo participando na vida da Igreja, parecem não acreditar realmente na vida depois da morte. Mas afinal, será que a morte é algo que nós, cristãos, devemos temer? Existe algum jeito de não sofrer, ou sofrer menos com a morte? Faz sentido “fingir” que algo tão inevitável quanto a morte simplesmente não existe?


A resposta nua e crua para essas questões é muito simples: o tanto que sofremos com a morte depende diretamente da nossa Fé. Ou do quanto a nossa Fé se traduz em realidade, em posturas e atitudes concretas diante da vida. Aqueles que possuem uma convicção verdadeira naquilo que prometeu nosso Senhor Jesus Cristo por certo não se entregarão ao desespero com a partida de um familiar muito amado ou com a perspectiva da própria morte.


Sentir saudade é uma coisa. Experimentar dificuldades para lidar com a falta de alguém que foi muito próximo, e que agora não faz mais parte do nosso convívio, é natural, é humano e perfeitamente normal. Chorar pode ser saudável. Mas entregar-se ao desespero é uma prova de falta de Fé.


De fato, seria bem mais sensato nos prepararmos para a morte, já que ela é inevitável. E como fazer isso? Preparar-se para a morte não é pensar nela o tempo todo, nem cultivar pensamentos mórbidos: é viver segundo a Fé cristã católica, para que possamos ter tranquilidade e a segurança de que seremos mais felizes em nossa próxima vida do que jamais fomos nesta.


Segundo a Fé cristã, foi o pecado que incutiu no ser humano o medo de morrer, alterando a sua compreensão da realidade. Pecado é afastamento de Deus, nosso Sumo Bem. Quem está afastado de Deus vê a morte simplesmente como o “fim da vida", quando deveria entendê-la como a feliz passagem para a Plenitude da vida, o cumprimento de um difícil estágio. Se cremos em Cristo e somos fiéis a Ele, precisamos crer também que esta vida, neste mundo, é apenas uma “amostra”, uma sombra do que será a vida eterna em Deus.


A morte é um processo biológico inevitável, que atinge toda a Criação. Entre as consequências do pecado está o medo de morrer; para aqueles que tem uma Fé inabalável, a morte é encarada como a passagem de um mundo de sofrimentos para a plenitude definitiva da vida. Essa consciência cristã altera profundamente o sentido da vida e a maneira como se vive.


É necessário, querido cristão católico, que você recupere o verdadeiro sentido da vida, porque somente assim você poderá restituir também à morte seu verdadeiro sentido. A morte e Ressurreição de Cristo, que liberta o homem do pecado, redime a morte do seu sentido dramático de fim da vida, e volta a dar-lhe o sentido da passagem para uma vida plena e definitiva. Creia nisto, de fato!


O que acontece conosco depois da morte é o resultado da nossa escolha pessoal: somos livres para escolher Deus e o caminho da vida, ou para escolher o egoísmo e a morte. Nosso destino após a morte indica que Deus é tanto Misericordioso quanto Justo. Enquanto cristãos, não devemos temer a morte, mas sim nos prepararmos para ela, crescendo em santidade e lutando a cada dia pela vida eterna.
Jesus disse: “Eu sou a Ressurreição e a Vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês nisto?” (João 11, 25-26)


A pergunta de Jesus a Marta é hoje feita para você, que lê este artigo: Crês nisto? Crês mesmo em Jesus?

-

SAIBA COMO A MORTE É VISTA EM DIFERENTES RELIGIÕES E DOUTRINAS


De maneira geral, cristãos, islâmicos e judeus acreditam que após a morte há a ressurreição. Já os espíritas crêem na reencarnação: o espírito retorna à vida material através de um novo corpo humano para continuar o processo de evolução. Algumas doutrinas acreditam que as pessoas podem renascer no corpo de algum animal ou vegetal. Em algumas religiões orientais, o conceito de reencarnação ganha outro sentido: é a continuação de um processo de purificação. Nas diversas religiões, o homem encara a morte como uma passagem ou viagem de um mundo para outro.

  Filosofia

A sobrevivência do espírito humano à morte do corpo físico e a crença na vida e no julgamento após a morte já era encontrada na filosofia grega, em especial em Pitágoras, Platão e Plotino. Já Sartre, filósofo francês, defendia que o indivíduo tem uma única existência. Para ele, não há vida nem antes do nascimento e nem depois da morte.

  Doutrina niilista

Sendo a matéria a única fonte do ser, a morte é considerada o fim de tudo

  Doutrina panteísta

O Espírito, ao encarnar, é extraído do todo universal. Individualiza-se em cada ser durante a vida e volta, com a morte, à massa comum

  Dogmatismo Religioso

A alma, independente da matéria, sobrevive e conserva a individualidade após a morte. Os que morreram em 'pecado' irão para o fogo eterno; os justos, para o céu, gozar as delícias do paraíso.

  Budismo

O Budismo prega o renascimento ou reencarnação. Após a morte, o espírito volta em outros corpos, subindo ou descendo na escala dos seres vivos (homens ou animais), de acordo com a sua própria conduta. O ciclo de mortes e renascimentos permanece até que o espírito liberte-se do carma (ações que deixam marcas e que estabelece uma lei de causas e efeitos). A depender do seu carma, a pessoa pode renascer em seis mundos distintos: reinos celestiais, reinos humanos, reinos animais, espíritos guerreiros, espíritos insaciáveis e reinos infernais. Estes determinam a Roda de Samsara, ou seja, o transmigrar incessante de um mundo a outro, ora feliz e angelical, ora sofrendo terríveis torturas, brigando e reclamando. Em qualquer um destes estágios as pessoas estão sujeitas a transformações.

De acordo com o Livro Tibetano da Morte, existem 49 etapas, ou 49 dias, após a morte. Os monges oram para que as pessoas atinjam a Terra Pura - lugar de paz, tranqüilidade e sabedoria iluminada - ou renasçam em níveis superiores.

Para libertar-se do carma e alcançar a iluminação ou o Nirvana, o ciclo ignorância, sede de viver e o apego às coisas materiais deve ser abolido da mente dos homens. Para isso, a doutrina budista ensina a evitar o mal, praticar o bem e purificar o pensamento. O leigo deve praticar três virtudes: fé, moral e benevolência. Para eles, todo ser humano é iluminado, embora não tenha consciência disso.

  Hinduísmo

A visão hindu de vida após a morte é centrada na idéia de reencarnação.

Para os hinduístas, a alma se liga a este mundo por meio de pensamentos, palavras e atitudes. Quando o corpo morre ocorre a transmigração. A alma passa para o corpo de outra pessoa ou para um animal, a depender das nossas ações, pois a toda ação corresponde uma reação - Lei do Carma. Enquanto não atingimos a libertação final - chama de moksha -, passamos continuamente por mortes e renascimentos. Este ciclo é denominado Roda de Samsara, da qual só saímos após atingirmos a Iluminação.

No hinduísmo, a alma pode habitar 14 níveis planetários distintos (chamadosa Bhuvanas) dentro da existência material, de acordo com seu nível de consciência. Quando se liberta, a alma retorna ao verdadeiro lar, um mundo onde inexistem nascimentos e mortes.

Os hindus possuem crenças distintas, mas todas são baseadas na idéia de que a vida na Terra é parte de um ciclo eterno de nascimentos, mortes e renascimentos.

  Islamismo (Religião Muçulmana)

Para o islamismo, Alá (Deus) criou o mundo e trará de volta a vida todos os mortos no último dia. As pessoas serão julgadas e uma nova vida começará depois da avaliação divina. Esta vida seria então uma preparação para outra existência, seja no céu ou no inferno.

Quando a pessoa morre, começa o primeiro dia da eternidade. Ao morrer, a alma fica aguardando o dia da ressurreição (juízo final) para ser julgado pelo criador. O inferno está reservado para as almas 'desobedientes', que foram desviadas por Satanás. No Alcorão, livro sagrado, ele é descrito como um lugar preto com fogo ardente, onde as pessoas são castigadas permanentemente. Para o paraíso, vão as almas que obedeceram e seguiram a mensagem de Alah e as tradições dos profetas (entre eles, os cinco principais: Noé, Abrão, Moisés, Jesus filho de Maria e Mohammed). No Alcorão, o paraíso é descrito como um lugar com rios de leite, córregos de mel e outras belezas jamais vistas pelo homem.

  Espiritismo

Defende a continuação da vida após a morte num novo plano espiritual ou pela reencarnação em outro corpo. Aqueles que praticam o bem, evoluem mais rapidamente. Os que praticam o mal, recebem novas oportunidades de melhoria através das inúmeras encarnações. Crêem na eternidade da alma e na existência de Deus, mas não como criador de pessoas boas ou más. Deus criou os espíritos simples e ignorantes, sem discernimento do bem e do mal. Quem constrói o céu e o inferno é o próprio homem.

Pela teoria, todos os seres humanos são espíritos reencarnados na Terra para evoluir. A morte seria apenas a passagem da alma do mundo físico para a sua verdadeira vida no mundo espiritual. E mesmo no paraíso, acredita-se que o espírito esteja em constante evolução para o seu aperfeiçoamento moral.

As almas dos mortos ligam-se umas às outras, em famílias espirituais, guiadas pela sintonia entre elas. Consequentemente, os lugares onde vivem possuem níveis vibratórios diferentes, sendo uns mais infelizes e sofredores, e outros mais felizes e plenos.

Muitas escolas espiritualistas – não todas - defendem a idéia da sobrevivência da individualidade humana, chamada espírito, ao processo da morte biológica, mantendo suas faculdades psicológicas intelectuais e morais.

  Igreja evangélica

Como no catolicismo, os evangélicos acreditam no julgamento, na condenação (céu ou inferno) e na eternidade da alma. A diferença é que o morto faz uma grande viagem e a ressurreição só acontecerá quando Jesus voltar à Terra, na chamada 'Ressurreição dos Justos', ou, então, aqueles que forem condenados terão uma nova chance de ressurreição no 'Julgamento Final'. Os que morrerem sem Cristo como seu Deus também receberão um corpo especial para passar a eternidade no lago de fogo e enxofre.

  Igreja Adventista do Sétimo Dia

Na Igreja Adventista do Sétimo Dia, os mortos dormem profundamente até o momento da ressurreição. Quem cumpriu seu papel na Terra recebe a graça da vida eterna, do contrário desaparece.

  Igreja Batista

Crêem na morte física (separação da alma do corpo físico) e na morte espiritual (separação da pessoa de Deus). Os que, após a morte física, acreditam ou passam a confiar em Jesus Cristo, vão para o Paraíso onde terão uma vida de paz e felicidade. Com a morte espiritual, a alma vai para o Inferno para uma vida de angústia, sofrimento, dor e tormentos.

  Catolicismo

A vida depois da morte está inserida na crença de um Céu, de um Inferno e de um Purgatório. Dependendo de seus atos, a alma se dirige para cada um desses lugares.

A alma é eterna e única. Não retorna em outros corpos e muito menos em animais. Crê na imortalidade e na ressurreição e não na reencarnação da alma. A Bíblia ensina que morreremos só uma vez. E ao morrer, o homem católico é julgado pelos seus atos em vida. Se ele obtiver o perdão, alcançará o céu, onde a pessoa viverá em comunhão e participação com todos os outros seres humanos e, também, com Deus. Se for condenado, vai para o inferno. Algumas almas ganham uma chance para serem purificadas e vão para o purgatório, que não é um lugar, e sim uma experiência existencial da pessoa. Quem for para o céu ressuscitará para viver eternamente. Depois do Juízo Final, justos e pecadores serão separados para a eternidade. Deus julga os atos de cada pessoa em vida de acordo com a palavra que revelou através de Seu Filho, com os ideais de amor, fraternidade, justiça, paz, solidariedade e verdade.

  Judaísmo

O judaísmo crê na sobrevivência da alma, mas não oferece um retrato claro da vida após a morte, e nem mesmo se existe de fato.

O judaísmo é uma religião que permite múltiplas interpretações. Algumas correntes acreditam na reencarnação, outras na ressurreição dos mortos. Enquanto a reencarnação representa o retorno da alma para um novo corpo, a ressurreição é definida como o retorno da alma ao corpo original.

Para os judeus, a lei permite à pessoa que vai morrer pôr a sua casa em ordem, abençoar a família, enviar mensagem aos que lhe parecem importantes e fazer as pazes com Deus. A confissão in extremis é considerada importante elemento na transição para o outro mundo.

  Candomblé

Não existe uma concepção de céu ou inferno, nem de punição eterna. As almas que estão na terra devem apenas cumprir o seu destino, caso contrário vagarão entre céu e terra até se realizar plenamente como um ser consciente e eterno.

Os cultos afro-brasileiros acreditam que os mistérios da vida e da morte são regidos por uma Lei Maior, uma força divina que dá o equilíbrio divino ou eterno. O Candomblé vê o poder de Deus em todas as coisas e, principalmente, na natureza. Morrer é passar para outra dimensão e permanecer junto com os outros espíritos, orixás e guias. Trabalha com a força da natureza existente entre terra (Aìyê) e o céu (Òrun). Nos cultos afros, o assunto de vida após a morte não é bem definido.

Na Terra, o objetivo do homem é realizar o seu destino de maneira completa e satisfatória. Ao cumprir o seu destino na Terra, o ser humano está pronto para a morte. Após a morte, o espírito será encaminhado ao Òrun, para uma dimensão reservada aos seres ancestrais, ou seja, eternos. O ser humano pode ser divinizado e cultuado. Caso o seu destino não seja cumprido, os espíritos ficarão vagando entre os espaços do céu e da terra, onde podem influenciar negativamente os mortais. Como não se realizaram plenamente, estes espíritos estão sujeitos à reencarnação. Já as pessoas vivas que sofrem as suas influências negativas, precisam passar por rituais de limpeza espiritual para reencontrar o equilíbrio.

  Umbanda

A Umbanda sofre influências de crenças cristãs, espíritas e de cultos afros e orientais. Como não existe uma unidade ou um 'livro sagrado', alguns umbandistas admitem o céu e o inferno dos cristãos, enquanto outros falam apenas em reencarnação e Carma.

Na Umbanda, morte e nascimento são momentos sagrados, que marcam a passagem de um estado a outro de manifestação espiritual, morremos para um lado e nascemos para outro lado da vida, o que nos aguarda do outro lado depende de nós mesmos.

A Umbanda explica o universo através de sete linhas, regidas por Orixás. Ao morrer, a pessoa será atraída por estes mundos espirituais. A matéria é apenas um dos caminhos para a evolução do espírito. Sendo assim, a morte é uma etapa do ciclo evolutivo, sendo a reencarnação a base da evolução. O objetivo maior do nascimento e da morte é a harmonização e a evolução consciente do espírito. Após morte, o ser humano leva consigo suas alegrias, sua fé, suas crenças, suas mágoas e suas dores. E terá que lidar com elas, sempre contanto com o auxílio dos espíritos mais evoluídos que o recepcionarão no outro lado da vida e o ajudarão na sua adaptação no mundo espiritual.

Com a morte do corpo físico, os espíritos bons podem se tornar protetores, enquanto os maus (espíritos de pouca evolução, devido às poucas encarnações) podem virar perturbadores. Os mortos (desencarnados) podem ser contatados, ajudados ou afastados.


                     CAROLINA NASCIMENTO

LOUCURA...


O cheiro da sua pele tem aroma de pecado.
Procura, delírio que  anima o sabor.
O arrepio da pele, a carícia ardente,
Minha boca em sua boca.
Calientes sensações de  desejos...
Fantasia  do destino, meu menino. ( traquino)
Seu corpo  envolvente.
É colo que me aquece.
enquanto mãos se perdem entre curvas,
Delineando mistérios e  segredos.
Vozes embasadas , sussurros  escondidos.
Sob um olhar  banhado de êxtase.
Meu corpo sobre o seu...
Seu corpo sobre o meu,
Loucura.
 Nossa pele na.
Molhados, encharcados de amor,
Náufragos  de um gozo inevitável.


Socorro Carvalho

Postagens em destaque

Em entrevista, o Poeta e Compositor santareno Renisson Luis Vasconcelos fala de sua arte e do amor que tem por Nossa Senhora da Conceição

Estamos na semana que antecede o Círio 2017 de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira de Santarém.  Uma semana intensa de preparativos ...