terça-feira, dezembro 30, 2014

BEM, MAL, BOM E MAU



Para tentar explicar relação do que é justo sensato e digno de ser seguido o homem buscou aspectos filosóficos para condicionar a volição humana a um desejo massificante e coletivo que representasse um anseio da espécie e que servisse como uma norma, ou conjunto de regras de condicionamento da conduta capaz de nortear o desenvolvimento, movimento e ação dos indivíduos que delas dessem passagem para dar crédito em suas abstrações do agir do comportamento. 



O bem é a expressão de uma conduta verificável na interação do ambiente em que o indivíduo que a consegue perceber tem como característica a percepção de uma identificação de elementos que associados ao indivíduo denotam propriedades de conformidade no mesmo sentido em que um ganho escalar em que se somam sensações não são geradores de conflito frente a um referencial holístico ou integrador.
 Se o referencial integrador que sintetiza o signo “bem” baseia-se na geração de satisfação, todo aquele comportamento que gerar cada vez mais estados em que a satisfação é percebida em termos de agregação de valor, os elementos de conduta condicionados geradores do estado estão em sentido corrente ao desejo manifesto pelo indivíduo desta forma praticar o ato é um efeito gerador de estado dinâmico denominado “bem” por produzir benfeitorias que são perceptíveis para os indivíduos que estão dentro desta variação cognitiva. Agregar com concordância. 



Por outro lado se o comportamento condicionado agrega valores discordantes da natureza da manifestação consciente do desejo de um ou mais indivíduos, o sentido antagônico à vontade é gerador de conflito. O conflito por sua vez tira os indivíduos da linha de perpetuação dos sensores que canalizam ação, afetando correlatamente outros vínculos desviando a energia que se propaga dentro de um indivíduo no sentido da manifestação de seu desejo. A este senso em que outros blocos de valores e juízos são introduzidos para manifestar contrariedade à manifestação de uma vontade é denominado na forma de um signo conhecido como “mal”.


O sentido de se utilizar a consciência, ao longo das últimas décadas vem sendo utilizado erroneamente designando a habilidade de uma pessoa em manifestar-se de forma reflexiva em sua conduta. Ao passo que este efeito da consciência é um conceito muito mais abrangente e amplo que ainda não possui um signo que o integralize como um conceito uniforme. 


O fato é que todo mundo tem consciência quando ativa em seu corpo elementos sensoriais. A consciência é este fluxo energético que conecta as partes do corpo as regiões centrais do cérebro humano. 



Agora ser reflexivo é ser capaz de orientar a percepção para que ela seja o máximo possível coerente consigo mesmo, com outros seres e também e com os elementos dispostos no ambiente. Todos somos conscientes, sermos reflexivos é algo que devemos conquistar com o aprendizado que somos capazes de extrair ao nosso redor. 



Ao “bom” indica-se a qualidade ou atributos para quem é capaz de exercer a habilidade de manifestar-se em coerência de propósito consigo mesmo, outros seres e ao que se é observável em sua integração com o habitat. 


Se é bom é justo, se é justo é ordeiro, se é ordeiro é capaz de agregar coisas... sê pratica o bem. Se pratica o bem, sê é bom, se é justo sê é ordeiro. Sê é capaz de sintetizar a moral, que é repleta de valores, de sentidos e significados... Então o indivíduo é visto como uma pessoa que é imbuída de concordância com outros seres. O que o torna bem-quisto entre o olhar atento das massas. Porque ele é capaz de sintetizar o princípio da unicidade. De todos por um e um por todos. O princípio áureo da composição da Divindade. 


Por outro lado se é mau, não se pratica a virtude. Não ser virtuoso é gerar conflito, não pacificar o ambiente, promover a discórdia, ser perverso. Repare que todos estes elementos representam elementos unificantes que significam DISCORDAR em que por trás está a prática de algo que gera conflito entre as pessoas. Assim praticar o mal é ser “primitivamente” ser qualificado como “mau”. 


Estes elementos: bem, mal, bom e mau. São na realidade elementos regulatórios que os seres humanos criaram para gerir os princípios que estão espalhados dentro dos indivíduos e assim tentar unificar regras para o compartilhamento orgânico, sensorial, sistêmico e intuitivo dos seres que se agregam na permuta dos elementos ambientais através de vínculos sociais para a vida consolidada na forma de sociedade. 


Tem que haver reflexão sobre cada ato para que eles não sejam geradores de conflito, para isto é necessário observar a consciência quando ativa graus cada vez mais elevados de elementos adormecidos (inconsciência) cuja característica de estado desativado está no sensor não ser utilizado em um determinado instante, e por estar adormecido se diz inconsciente. Mas quando se canaliza energia para integrar partes específicas do corpo a esta canalização faz interligar-se os membros até o cérebro em que a consciência é gerada. 


O ato reflexivo (ou ato consciente) é capaz de fazer o indivíduo se perceber ao ponto de programar suas saídas e em vez de fazer o mal ele passa a praticar o bem. Em vez de ser mau ele passa a ser observado como um indivíduo que é bom e por isto deve ser valorizado na convivência em grupo.

Max Diniz Cruzeiro
Neurocientista Clínico
Psicopedagogo Clínico e Empresarial

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

DANIELLE LIMA!! PARA VOCÊ, UMA CARTA DO MEU CORAÇÃO... FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Querida filha, Danielle Katrine Hoje, pensei em te fazer um poema!! Rimar versos para te falar do meu amor... Mas como poetizar,...