terça-feira, setembro 13, 2011

UES DEFINE EM PLENÁRIA QUE UNIVERSITÁRIOS DE SANTARÉM APÓIAM CRIAÇÃO DO TAPAJÓS



Ocorreu na tarde do último sábado, dia 10 de setembro, a Plenária municipal da UES que definiu a posição da entidade sobre a criação do estado do Tapajós. Cerca de 300 pessoas compareceram ao auditório da Casa da Cultura, dentre elas mais de 150 delegados - estudantes universitários que se credenciaram para participar das decisões na Plenária. Por maioria dos votos, os universitários de Santarém disseram SIM ao novo estado.

O evento teve início com a mesa redonda Estado do Tapajós em debate, formada pelo Padre Edilberto Sena (diretor da Rádio Rural de Santarém) e pelos professores Manuel Dutra (doutor em jornalismo) e Aluízio Leal (doutor em economia).
Manuel Dutra apontou as origens históricas do movimento de emancipação do oeste do Pará, que remetem ao século XVIII; a idéia de autonomia política da região percorreu o imaginário de inúmeras gerações que viveram nestas terras. Dessa forma, a criação do estado do Tapajós, para Dutra, é um “direito histórico adquirido” do povo do oeste paraense. Para aqueles que argumentam que a nova unidade administrativa será tomada pela corrupção, o professor e jornalista respondeu categoricamente: “Quem fala isso desconsidera que os velhos estados já estão tomados pela corrupção. Prova disso é a Assembléia Legislativa do Pará, instituição que, de tão suja, deveria ser fechada”.
O padre Edilberto Sena, militante histórico de movimentos em defesa da Amazônia e dos povos da região, também defendeu a emancipação do oeste do Pará, apontando vários desafios que o povo do futuro estado terá pela frente, como formar novas lideranças políticas, defensoras de novas idéias, e construir um novo modelo de desenvolvimento econômico e social, diferente do atual modelo predatório que prevalece na Amazônia. Edilberto alertou, porém, que a simples criação do Tapajós não vai trazer mudanças significativas para a população: só o que muda de verdade é a luta do povo, que deve participar ativamente da construção do novo estado.



Por fim, Aluízio Leal fez um forte e bem fundamentado contraponto ao movimento que defende a criação do estado do Tapajós. Baseado em experiências passadas de redivisão territorial, como a criação do estado do Amapá, o economista argumentou que o surgimento de novos estados não é a solução para os problemas do povo de determinada região. Pelo contrário: no nosso caso, a criação do estado do Tapajós deve piorar a situação de miséria e exploração em que vivem os trabalhadores, uma vez que o movimento emancipacionista vem sendo conduzido pela burguesia local e por políticos ligados aos grandes grupos econômicos da região. Assim, para Aluízio, “quem vai mandar no novo estado não são os filhos do Tapajós, mas sim os donos do agronegócio e da mineração”.
O público presente à Plenária teve oportunidade de fazer perguntas e questionamentos aos debatedores, formando-se um campo muito fértil de debate de idéias no auditório da Casa da Cultura. Os estudantes universitários expressaram posicionamentos bem variados sobre a criação do Tapajós, mostrando a rica pluralidade política e ideológica presente no meio acadêmico santareno.
Após a mesa e um breve intervalo, teve início o momento deliberativo da Plenária, em que foram discutidas propostas de encaminhamento para a UES sobre o tema estado do Tapajós. Com o auditório já reduzido por conta do horário avançado, foram apresentadas basicamente 3 propostas de encaminhamento: Sim ao novo estado, não ao Tapajós e abstenção.




Ib Sales Tapajós, estudante de Direito da UFOPA e coordenador geral da UES, propôs que a entidade se posicione favoravelmente à criação do estado do Tapajós, por ser esta uma demanda legítima do povo da região, e não apenas uma pauta da elite local. “No entanto, nossa campanha não deve ser ao lado da classe empresarial e dos políticos corruptos que têm se apropriado do movimento emancipacionista. Nossa campanha tem de ser feita juntamente com os movimentos sociais da região, com os sindicatos da classe trabalhadora e com os lutadores do movimento estudantil. Só assim, poderemos construir uma perspectiva política diferente para o novo estado”.

O estudante de especialização da UFOPA Cândido Cunha, por sua vez, defendeu que a UES se coloque contra a divisão do Pará, argumentando que se trata de um projeto da burguesia contra a classe trabalhadora. Segundo ele, “ao invés de a UES entrar na campanha pelo sim, deve priorizar outras pautas, como a campanha por 10% do PIB pra educação”.
Por fim, Renato Mauro, estudante de medicina da UEPA, apesar de ter se manifestado contrariamente à divisão do Pará, propôs que a entidade se abstenha de manifestar posicionamento. Segundo ele, apoiar o SIM seria estar junto com a elite santarena, mas, por outro lado, dizer NÃO significaria se juntar à campanha da elite metropolitana.




Após algumas falas defendendo cada um desses 3 pontos de vista, foi encaminhada votação: 2 estudantes votaram na abstenção, 28 no NÃO e 37 se manifestaram favoravelmente à criação do estado do Tapajós. Assim sendo, através do método da democracia direta, os estudantes universitários decidiram que a UES deve dizer SIM ao novo estado.

Dessa forma, nossa entidade dará continuidade à sua tradição histórica de ser parte ativa dos principais debates envolvendo a cidade de Santarém, o oeste do Pará e a Amazônia. Mais do que defender o SIM, a União dos Estudantes de Ensino Superior de Santarém, daqui para frente, estará discutindo com o povo da região qual o modelo de estado que queremos. Nossa luta não será apenas por um novo estado, mas, acima de tudo, por uma nova política no estado do Tapajós!


# Fotografia: Ramon Santos.
Fonte: UES


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Chuva que rega saudade...

O dia amanheceu chovendo. Passou nublado. A tarde chegou com um tímido  sol .  Ao meu redor,  vejo rastros de saudade a penetrar me...