sexta-feira, outubro 25, 2013

AMOR MEU, SE MORRO E TU NÃO MORRES


 Amor meu, se morro e tu não morres,
amor meu, se morres e não morro,
não demos à dor mais território:
não há extensão como a que vivemos.

Pó no trigo, areia nas areias,
o tempo, a água errante, o vento vago
nos transportou como grão navegante.
Podemos não nos encontrar no tempo.

Esta campina em que nos achamos,
oh pequeno infinito! devolvemos.
Mas este amor, amor, não terminou,

e assim como não teve nascimento
morte não tem, é como um longo rio,
só muda de terras e de lábios.

Pablo Neruda

3 comentários:

  1. Bom dia!
    Um amor descrito olhando ao infinito.
    Os desejos descritos olhando para dentro de si.
    Bom demais!!!
    Vou estar longe por um tempo, mas sempre que puder, lhe visitarei.
    bjs
    Ritinha

    ResponderExcluir
  2. Olá linda!
    Um belo poema da Pablo!
    Uma escolha excelente para uma leitura mais interiorizada!
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Socorro! Parabéns pela a premiação, sei que foi sofrida né, mais valeu.Um abraço para todos os guerreiros!
    Que belo soneto.
    Um sábado -feliz

    Bjs Maria Machado

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita, com breve retorno!! Seu comentário vem somar mais versos em minhas inspirações... grande abraço. Se quiser pode escrever diretamente para o meu email: socorrosantarem@gmail.com

Postagens em destaque

Maria Maria

Maria, Da lua Herdastes brilho e serenidade. Do sol Juntastes calor e esperança. Doce Maria! De encanto, de amor. Suave como a b...